Cadela à beira da morte revela drama de raça mais abandonada da Grã-Bretanha

Bull terrier 'Hope' foi encontrada em caixa pesando metade de seu peso.

BBC Brasil, BBC

31 Maio 2012 | 09h12

Um cão encontrado em um acostamento e descrito por um veterinário como "mais magro que já tinha visto vivo" está começando a se recuperar.

A Sociedade Real de Prevenção a Crueldade contra Animais (RSPCA, na sigla em inglês) disse que a cadela estava magra e fraca demais para se alimentar, mas depois de receber soro havia começado a comer sozinha.

A veterinária Ann Parry afirmou que Hope pesava 8kg - quando um peso saudável para ela (duma mistura com a raça Stafforshire Bull Terrier) seria o dobro disso - que o animal ainda tem um longo caminho a percorrer até que se recupere totalmente.

O cão foi encontrado abandonado em uma caixa de papelão em uma autoestrada em Hewish, Inglaterra, e levada para uma clínica da RSPCA nos arredores.

Embora seja um cão dócil, o stafforshire bull terrier é líder nas filas de espera para adoção.

A RSPCA não sabe, porém, explicar a razão, mas estima que seja devido ao fato de a raça ser uma das mais populares no Reino Unido ou, ainda, pelo fato de ser comumente vista como violenta, o que a entidade nega.

'Estado terrível'

"Quando ela chegou tivemos que envolvê-la em cobertores e plástico bolha para aquecê-la enquanto não poderia manter a sua temperatura", disse Ann.

"Passei oito anos trabalhando em uma clínica da RSPCA no passado, então estou acostumada a ver animais maltratados e negligenciados, mas este é o mais magro cão que já e que ainda está vivo."

O inspetor da RSPCA John Norman informou que o cão foi encontrado em um "estado terrível".

"Quem quer que a tenha deixado neste estado, tentou se livrar dela por considerá-la um lixo."

Norman pede que, quem souber sobre o antigo dono, deve entrar em contato com a RSPCA. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
also hope cao abandonado

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.