Cadernos e cartazes feitos com bitucas

Depois do papel feito com sementes, que pode ser picado e plantado, o Instituto Papel Solidário bolou uma nova forma de reciclagem: folhas feitas de bitucas de cigarro. Em parceria com empresas, cooperativas e com o Movimento Nacional de Catadores, a ONG coleta matéria-prima em cinzeiros e calçadas sujas. O projeto piloto, batizado de Rede Papel Bituca, começou em Pinheiros, zona oeste de São Paulo. A ONG quer chegar a 2.500 pontos de coleta.

, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2010 | 00h00

1. Papa-Bituca

A coleta do lixo é feita com o equipamento batizado de Papa-Bituca, uma espécie de cinzeiro que armazena até 5 mil unidades e facilita o trabalho dos catadores de lixo reciclado. Diversos modelos foram instalados em lojas, bares e restaurantes da zona oeste de São Paulo.

2. Cooperativas

Após a etapa da coleta, todo o material é levado para cooperativas ou ONGs envolvidas no processo de produção do papel bituca. A entidade treinou trabalhadores de comunidades para reciclar as bitucas. Com essa inclusão, o projeto ajuda a gerar renda para esses grupos.

3. Sem nicotina

Nas cooperativas, a bituca passa por um processo químico de limpeza e esterilização. É quando se separa a parte reciclável (a fibra de celulose e o papel) do fumo ainda presente no material. Também são eliminados o alcatrão e a nicotina, que alteram a cor das fibras celulósicas.

4. Na papelaria

O resultado desse processo é uma massa de celulose que, esticada sobre telas e após secagem ao sol, se transforma numa grande folha de papel. Ela serve de matéria-prima para produtos como descansos de copo, brindes ecológicos e toalhas descartáveis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.