Caem as paredes

Depois de quebradeira em imóvel dos anos 60, vista do bairro se desvenda através de 16 janelas

Natália Mazzoni - O Estado de S. Paulo,

16 de abril de 2011 | 16h00

Valorizar as 16 grandes janelas que rodeiam um apartamento de 150 m² na zona oeste de São Paulo era o objetivo da reforma feita pelo escritório de arquitetura Studio Paralelo, com sede em Porto Alegre e parceria com o escritório Maam, do Uruguai. "A disposição original dos espaços era clássica dos apartamentos dos anos 60, tudo separado por paredes. Nossa ideia foi integrar todo o ambiente e fazer com que a paisagem da cidade fosse contínua nas janelas", diz o uruguaio Andrés Gobba, um dos arquitetos responsáveis pelo projeto.

 

Para isso, a reforma, que durou sete meses, tratou de fazer com que o "labirinto" que antes fazia parte da planta do apartamento desaparecesse. Foram derrubadas 10 paredes e feitas pequenas intervenções na disposição das áreas molhadas, para que todo o ambiente social se tornasse integrado. "Vigas, pilares e canalizações ocultos na planta original foram revelados na demolição. Nossa estratégia, então, foi incorporar esses elementos à nova planta", explica Luciano Andrades, arquiteto do Studio Paralelo que também participou do projeto.

 

Durante a obra, foi descoberto um desnível de altura do pé-direito em parte do atual living, espaço que antes era ocupado pela cozinha. A solução foi instalar uma grade de metal eletrofundido no teto, o que regularizou a altura e ainda serviu para embutir pontos de luz. As tubulações de ventilação e hidrossanitária ficaram expostas, integrando o novo layout.

 

Tanta quebradeira resultou em uma grande área aberta, com living, home theater, escritório e ilha gourmet. Todo esse espaço, que tira proveito da abundância de luz natural, recebeu piso de madeira cumaru. Logo na entrada, a sala de estar tem sofás, poltronas, mesa de centro e estante de livros diante de uma das janelas. Posicionada atrás de um confortável sofá de couro, uma mesinha com bancos de plástico abriga dezenas de jogos e cria um espaço à parte para a diversão.

 

Na parede que se estende por toda a área social, duas pequenas mesas, uma em cada ponta, dão charme ao espaço com peças de apelo sentimental. Em um desses cantos, se destaca uma cadeira de balanço combinada com uma colorida almofada de fuxicos. Quadros e vaso com flores arrematam a composição. Na outra mesa, rústica, no canto oposto da parede, mais objetos pessoais do casal de proprietários dão personalidade ao lugar. O home theater, também integrado, criou uma área um pouco mais íntima para relaxar. Nele, uma estante repleta de CDs toma uma parede.

 

A ilha gourmet, feita para receber os amigos, é o ponto alto do apartamento. O piso de madeira é interrompido pelo de tecnocimento, que dá um toque contemporâneo. A bancada que acomoda pia e fogão e o móvel da ilha foram projetados pelos arquitetos. Para as refeições do dia a dia, uma pequena cozinha ao lado também tem fogão e geladeira. A lavanderia e a despensa ficam escondidos atrás de uma porta de madeira e vidro.

 

Em sua construção original, o apartamento tinha três quartos. Depois da reforma, dois deles se transformaram em closet e escritório. Este, aliás, tornou-se um dos ambientes mais criativos do projeto, já que é usado também como quarto de hóspedes. Para os dias de visita, uma porta de correr de ferro é fechada, separando esse espaço do resto da casa. Uma estante móvel de livros pode ser virada, para isolar por completo o ambiente, separando-o do corredor que liga o escritório à área intima.

 

No quarto, se destaca a simplicidade da decoração. Ao lado da cama, a estante de livros (de mesmo padrão do escritório) guarda, além das leituras da noite, objetos pessoais. Uma cadeira de couro para ler arremata a composição. O quarto não é suíte, mas um dos banheiros da casa está logo ao lado - ali o piso e as paredes foram revestidos com tecnocimento. "O objetivo desse projeto era criar um espaço que fosse aberto a todas as experiências do cotidiano da casa, desde a diversão até o relaxamento, e acho que isso foi cumprido", diz Gobba.

Mais conteúdo sobre:
Casa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.