Cafeína pode atrasar deterioração mental em idosas, diz estudo

Benefício foi constatado em mulheres; pesquisadora adverte contra conclusões prematuras

BBC Brasil, BBC

07 de agosto de 2007 | 07h35

A cafeína pode ajudar mulheres idosas a adiarem a deterioração mental, sugere uma pesquisa francesa recém-publicada. Pesquisadores compararam mulheres com 65 anos de idade ou mais que bebem mais de três xícaras de café por dia a outras que bebem uma xícara ou menos. As mulheres que beberam mais café apresentaram menor deterioração da memória em testes num período de quatro anos. O estudo, publicado na revista Neurology, levanta a possibilidade de que a cafeína pode até proteger contra o desenvolvimento de demência. Os resultados se mantiveram mesmo se levados em conta fatores como o nível de instrução, pressão alta e doenças. A cafeína, alcalóide presente no café, é tida como um estimulante, mas este estudo parece sugerir que seus efeitos podem ser mais profundos. Mas a coordenadora da pesquisa, Karen Ritchie, do Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica da França, advertiu contra conclusões prematuras. "Embora nós tenhamos alguma idéia de como isto funciona biologicamente, nós precisamos entender melhor como a cafeína afeta o cérebro antes que possamos começar a promover a ingestão de cafeína como forma de reduzir o declínio mental", afirmou. "Mas os resultados são interessantes - o uso de cafeína já é generalizado e tem menos efeitos colaterais do que outros tratamentos para o declínio mental e exige uma quantidade relativamente pequena para um efeito benéfico." O estudo, que envolveu 7 mil mulheres, não revelou que consumidores de cafeína tivessem uma incidência menor de demência. "Nós realmente precisamos de um estudo mais longo para verificar se a cafeína impede a demência. Pode ser que a cafeína pode tornar mais lento o processo de demência ao invés de impedí-lo", disse Richie. Segundo a pesquisadora, não está claro por que o efeito de proteção não parece se aplicar a homens. "As mulheres podem ser mais sensíveis aos efeitos da cafeína. Seu organismo pode reagir de maneira diferente ao estimulante, ou ele pode metabolizar a cafeína de forma diferente."   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.