Cafezais e citros florescem com vigor

Chuvas favoreceram as lavouras e expectativa agora, principalmente dos cafeicultores, é de recuperação dos cultivos

Fábio Marin, O Estado de S.Paulo

07 de novembro de 2007 | 04h34

A semana foi marcada pela ação de uma frente fria de forte intensidade chuvosa, causando precipitações intensas entre sexta-feira e domingo e que passaram dos 90 milímetros em Campinas, Guaratinguetá, Iguape e Piracicaba.Apesar da forte nebulosidade no fim de semana, o calor predominou até quinta-feira em todas as regiões, com máximas acima dos 37 graus em Barretos, Garça, Iguape, Ilha Solteira, Presidente Prudente e Votuporanga. A mínima oscilou entre 19 e 22 graus.UMIDADEA umidade do solo continua subindo e em algumas localidades atingiu o limite máximo de armazenamento, com excedentes em Piracicaba, Campinas, Iguape e Guaratinguetá. Nas localidades nas quais a umidade ainda está abaixo de 50%, a condição também é considerada favorável para a agricultura e a pecuária por causa da redução da deficiência hídrica.Com apenas duas semanas de chuva, a semeadura da soja e do milho saltou de menos de 5% para quase 20% da área destinada a essas culturas, com boa perspectiva para a germinação e o desenvolvimento inicial.Apesar do pequeno atraso da semeadura em relação aos anos anteriores, há condições para a obtenção de bons níveis de produtividade nas lavouras de soja e de milho, caso as chuvas ocorram de forma regular.CITROSA chuva também reverteu o quadro de seca nos pomares de laranja, permitindo a emissão de novas floradas e a melhoria da qualidade da fruta para consumo in natura. Apesar das condições favoráveis, pode haver atraso na maturação das variedades mais precoces, colhidas logo no início da safra, como conseqüência do longo período de seca.Este atraso, associado aos problemas na safra americana, explica a tendência de alta nos preços do suco e as perspectivas favoráveis para a indústria e para os citricultores.Nos cafezais de Garça, Franca, São José do Rio Pardo e Espírito Santo do Pinhal, há condição semelhante, com o surgimento de novas floradas e a expectativa para que a chuva mantenha a regularidade, assegurando o pegamento das flores e a recuperação dos cafeeiros.* Fábio Marin é pesquisador da Embrapa Informática Agropecuária. Para mais informações sobre tempo e clima, acesse www.agritempo.gov.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.