Caixa deve comprar dois bancos até o fim do ano

A Caixa Econômica Federal pretende anunciar até o fim do ano a compra de participação em pelo menos mais uma instituição financeira, além do Panamericano, segundo revelou uma fonte próxima das negociações, que falou sob a condição de não ter seu nome revelado.

Ana Paula Ribeiro, AGÊNCIA ESTADO, O Estadao de S.Paulo

28 de novembro de 2009 | 00h00

O profissional não informou qual o banco será o próximo alvo, mas disse que o processo está em andamento e que o objetivo da Caixa Econômica Federal é, com as associações, oferecer novos produtos aos correntistas ou melhorar o modelo de atuação em determinados nichos de mercado.

De acordo com esse profissional, todas as compras da Caixa Econômica Federal seguirão o modelo em discussão com o Panamericano, ou seja, o banco público vai participar da gestão do negócio, mas não terá o controle.

A fonte lembrou que esse modelo evitará que os negócios fechados com bancos de capital aberto resultem no pagamento de tag along, ou seja, dar o direito dos minoritários venderem suas ações pelo mesmo preço pago aos controladores.

Embora os bancos de menor porte não façam parte do Novo Mercado, maior nível de governança corporativa da Bovespa, a maior parte concede aos minoritários o direito de tag along.

Atualmente, a Caixa Econômica Federal negocia com o Grupo Silvio Santos a compra de cerca de 35% do capital total do Panamericano, parcela que será composta por 49% das ações ordinárias e 20% dos papéis preferenciais. O valor a ser desembolsado, segundo a fonte, ficará em torno de R$ 700 milhões e a instituição trabalha para fazer o anúncio oficial na próxima segunda-feira.

Nas negociações para a definição dos preços, a Caixa Econômica Federal levará em conta também o desempenho da instituição financeira no período pré-crise, segundo a fonte. Até setembro do ano passado, a maior parte dos bancos médios apresentava forte crescimento nas operações de crédito.

O movimento foi interrompido com o agravamento da crise externa. As compras serão feitas por meio da CaixaPar, subsidiária criada pela Caixa Econômica Federal para adquirir participações em outras empresas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.