Caixa lança crédito de R$ 1 bi para material de construção

Financiamento para lojas poderá ser duplicado[br]e vai se somar aos R$ 4 bilhões do Construcard

Ana Paula Ribeiro e Chiara Quintão, O Estadao de S.Paulo

15 Dezembro 2009 | 00h00

A Caixa Econômica Federal lançou ontem uma linha de crédito de R$ 1 bilhão para a compra de material de construção em lojas de varejo. O prazo de financiamento é de até 24 meses e o valor máximo de cada compra é de R$ 10 mil. Segundo o vice-presidente de pessoa física da Caixa, Fabio Lenza, a taxa de juros dependerá do acordo com cada lojista. Ele acrescentou que caso haja demanda, esses recursos poderão ser ampliados em até um R$ 1 bilhão.

Além da linha lançada ontem, a Caixa possui ainda R$ 4 bilhões pelo Construcard, linha de até 60 meses e com carência de 6 meses para reformas de maior porte. Nessa modalidade, não há limite de crédito e o valor depende da renda. Lenza afirmou que, com todo o crédito disponível, será possível aquecer as vendas de material de construção no varejo em 2010.

O presidente da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), Claudio Elias Conz, disse que, com esses recursos, o setor terá desempenho em 2010 melhor que o aumento de 4% projetado para 2009. "Com o financiamento e a renda crescendo acima de 7%, esperamos crescimento de 10% nas vendas em 2010."

A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) estima que as vendas internas do setor deverão crescer 15,7% em 2010. A expectativa é de recuperação em relação a este ano. De janeiro a outubro houve queda de 14,81% no acumulado das vendas domésticas. Já a produção da indústria de materiais caiu 9% de janeiro a outubro de 2009, ante o mesmo período do ano passado.

A expansão esperada para o Produto Interno Bruto (PIB) da construção em 2010 é de 8,8%, para toda a cadeia. Conforme estudo realizado pela FGV Projetos a pedido da associação, até 2016 as vendas de materiais terão crescimento real de 77,7%. A Copa do Mundo de 2014, a Olimpíada de 2016, os investimentos habitacionais e a ampliação da infraestrutura são os fatores em que se baseia a expectativa.

O crescimento das vendas internas de materiais de construção em 2010 não deverá provocar falta de produtos, na avaliação do presidente da Abramat, Melvyn Fox. "As indústrias de materiais estão utilizando, em média, 85% da capacidade instalada. Se nada fosse feito, poderia haver falta em um ou outro segmento, mas o "termômetro Abramat" de novembro apontou que 60% dos fabricantes pretendem investir nos próximos 12 meses", disse Fox. Segundo ele, em meados do ano, cerca de 33% das indústrias tinham intenção de investir.

A indústria de materiais de construção também está preocupada com a entrada de produtos chineses no País, como disjuntores, cadeados e aço, que concorrem com os fabricados brasileiros. Segundo o presidente da Abramat, há produtos importados que não estão em conformidade técnica com as exigências do setor, e, em alguns casos, o custo do material é maior que o do produto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.