Calendário com travestis gera polêmica no CE

Uma publicação apoiada pela prefeitura de Fortaleza está gerando polêmica na cidade. Trata-se do Calendário Translendário. Este calendário foi denunciado ontem no plenário da Assembleia Legislativa pelo deputado estadual Fernando Hugo (PSDB) por apresentar fotos de homossexuais e travestis fazendo referência a obras sacras.

LAURIBERTO BRAGA, FORTALEZA (CE), ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2012 | 03h07

"Numa obra de Michelangelo, a Pietà, por exemplo, aparece um travesti posando sentado, desconfigurando a pintura do artista", destacou o tucano. Segundo ainda Fernando Hugo, no calendário há uma simulação da Santa Ceia, de Leonardo da Vinci, com homossexuais sentados à mesa.

O deputado prometeu encaminhar o calendário para o Ministério Público Estadual (MPE) e investigar quanto a prefeitura pagou pela publicação. Revelou ainda que vai enviar o calendário para representantes da Igreja Católica no Ceará, pois segundo ele a publicação é uma afronta às obras consideradas cristãs.

'Insano.'Em sua fala, o deputado disse não ser contra gays, lésbicas, homossexuais ou travestis. Afirmou ser "contra a prefeitura gastar dinheiro com este material, que é improdutivo, irresponsável e insano".

O deputado estadual Antônio Carlos (PT) saiu em defesa da publicação do calendário. "O calendário não traz nada demais. Ela apenas foca no respeito à diversidade sexual", afirmou o petista. Para ele, a denúncia de Fernando Hugo é "preconceituosa, exagerada e homofóbica".

Em 2007 a revista Farol, editada pela prefeitura, trouxe fotos eróticas e iria ser distribuída nas escolas municipais. "Denunciamos isso e a revista foi recolhida, não circulando aquele número nas escolas e repartições", relembrou Fernando Hugo. O deputado citou ainda a cartilha As descobertas de Alice e Ana Cláudia, que foi distribuída nas escolas como indutoras da "liberdade sexual".

No ano passado, a 15.ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo também gerou polêmica ao usar imagens cristãs em uma campanha pelo uso de preservativos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.