Calendário com travestis gera polêmica no CE

Uma publicação apoiada pela prefeitura de Fortaleza está gerando polêmica na cidade. Trata-se do Calendário Translendário. Este calendário foi denunciado ontem no plenário da Assembleia Legislativa pelo deputado estadual Fernando Hugo (PSDB) por apresentar fotos de homossexuais e travestis fazendo referência a obras sacras.

LAURIBERTO BRAGA, FORTALEZA (CE), ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

09 Maio 2012 | 03h07

"Numa obra de Michelangelo, a Pietà, por exemplo, aparece um travesti posando sentado, desconfigurando a pintura do artista", destacou o tucano. Segundo ainda Fernando Hugo, no calendário há uma simulação da Santa Ceia, de Leonardo da Vinci, com homossexuais sentados à mesa.

O deputado prometeu encaminhar o calendário para o Ministério Público Estadual (MPE) e investigar quanto a prefeitura pagou pela publicação. Revelou ainda que vai enviar o calendário para representantes da Igreja Católica no Ceará, pois segundo ele a publicação é uma afronta às obras consideradas cristãs.

'Insano.'Em sua fala, o deputado disse não ser contra gays, lésbicas, homossexuais ou travestis. Afirmou ser "contra a prefeitura gastar dinheiro com este material, que é improdutivo, irresponsável e insano".

O deputado estadual Antônio Carlos (PT) saiu em defesa da publicação do calendário. "O calendário não traz nada demais. Ela apenas foca no respeito à diversidade sexual", afirmou o petista. Para ele, a denúncia de Fernando Hugo é "preconceituosa, exagerada e homofóbica".

Em 2007 a revista Farol, editada pela prefeitura, trouxe fotos eróticas e iria ser distribuída nas escolas municipais. "Denunciamos isso e a revista foi recolhida, não circulando aquele número nas escolas e repartições", relembrou Fernando Hugo. O deputado citou ainda a cartilha As descobertas de Alice e Ana Cláudia, que foi distribuída nas escolas como indutoras da "liberdade sexual".

No ano passado, a 15.ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo também gerou polêmica ao usar imagens cristãs em uma campanha pelo uso de preservativos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.