Calor e seca prejudicam cafezais

Nas áreas de plantio convencional, a falta de chuva dificulta o início do preparo do solo para a safra de grãos

Fábio Marin, O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2007 | 04h48

A ação de uma massa de ar seco manteve o tempo seco em todo o Estado de São Paulo, com chuvas de importância agronômica apenas no Vale do Ribeira. Nas demais regiões, a temperatura continuou em elevação, chegando a 35 graus em Iguape, Guaratinguetá, Votuporanga e Ilha Solteira. A umidade do ar também manteve a tendência de queda, permanecendo abaixo de 30% nos horários mais quentes do dia em todo o Estado.Depois do excesso de chuva em julho, agosto foi mais seco que a média histórica, sem registro de precipitação em boa parte do Estado nos últimos 30 dias. A estiagem, associada ao calor, baixou ainda mais a umidade do solo, para menos de 35%, na maioria das localidades. Apenas Taquarivaí e Iguape têm reserva hídrica acima dessa marca.Essa condição manteve elevada a demanda hídrica nas áreas de produção de hortaliças e legumes de Mogi das Cruzes, Piedade e Sorocaba e nas lavouras de tomate de Guaíra e Apiaí.A irrigação também tem sido utilizada intensamente nas parreiras em fase de colheita de Jales, Urânia e Fernandópolis. Em Jundiaí, Valinhos e Indaiatuba, as parreiras ainda estão em fase de brotação, mas a irrigação também vem sendo necessária para garantir o desenvolvimento das plantas. O calor e a estiagem também têm prejudicado os cafezais, que tiveram a florada antecipada para agosto, em decorrência das chuvas de julho. Nessas áreas, parte das flores já foi abortada por causa da baixa umidade do solo, com efeitos sobre a próxima safra.FLORADASAlém da possibilidade de queda na produtividade, a florada antecipada também preocupa por causa da irregularidade na maturação dos grãos, conseqüência das novas floradas que devem ocorrer logo após as primeiras chuvas da primavera.A condição é favorável à colheita em todo o Estado, e o preço da laranja caiu novamente esta semana por causa do rápido avanço na safra. Nas áreas de grãos, boa parte das áreas já está disponível para a semeadura do milho e da soja na safra de verão. A seca, porém, não permitiu iniciar o preparo do solo nas áreas sem plantio direto na palha. *Fábio Marin é pesquisador da Embrapa Informática Agropecuária. Para mais informações sobre tempo e clima no Brasil, acesse www.agritempo.gov.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.