Câmara aprova reajuste salarial para policiais do DF

O plenário da Câmara aprovou projeto de lei de reajuste salarial dos policiais militares e civis do Distrito Federal. A proposta faz parte do pacote negociado no ano passado pela presidente Dilma Rousseff com os servidores públicos de diversas categorias, que garantiu um aumento de 15,8% a serem pagos em três anos.

DENISE MADUEÑO, Agência Estado

21 de março de 2013 | 17h56

O maior salário de delegado e de perito criminal especial, a partir deste mês, será de R$ 20,6 mil e chegará a R$ 22,8 mil em março de 2015. O menor salário da carreira, o de agente penitenciário, será de R$ 7,8 mil neste mês e, em 2015, de R$ 8,6 mil, de acordo com a tabela salarial aprovada.

O soldo, a vantagem pecuniária especial e a gratificação vão somar cerca de R$ 9,8 mil para o coronel, maior graduação da carreira militar do Distrito Federal. Em 2015, a cifra atingirá R$ 10,8 mil. O menor salário, o do soldado de segunda classe, ficará em R$ 2,1 mil, a partir deste mês, e em R$ 2,4 mil, em março de 2015.

Em relação à Polícia Civil, o reajuste acrescentará gastos de R$ 56,6 milhões neste ano, de R$ 115,8 milhões em 2014, de R$ 179,9 milhões em 2015, e de R$ 212,7 milhões nos exercícios seguintes. No caso da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, o reajuste representará aumento de gastos em torno de R$ 110,8 milhões neste ano, R$ 227,2 milhões em 2014, R$ 349,4 milhões em 2015, e R$ 413,085 milhões nos exercícios subsequentes. Os recursos foram previstos no Orçamento da União.

Os deputados aprovaram também outro projeto criando 3.029 vagas na carreira da polícia do Distrito Federal. São cargos de delegado, perito criminal, médico-legista, agente de polícia, escrivão e papiloscopista a serem preenchidos a partir de 1º de janeiro de 2014 por meio de concurso público. Não há ainda previsão de gastos. Os dois projetos foram enviados pelo governo federal e ainda serão votados pelo Senado, antes de seguir para a sanção da presidente da República.

Tudo o que sabemos sobre:
políciaDFreajuste

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.