Câmara de Salvador descarta retirar MPL à força

O presidente da Câmara de Vereadores de Salvador, Paulo Câmara (PSDB), participou de um encontro com os integrantes do Movimento Passe Livre (MPL) que ocuparam a Casa, na tarde desta segunda-feira). Na saída, ele descartou o uso de força policial para liberar o prédio. "É um movimento ordeiro", justificou. "A Casa está aberta ao diálogo."

TIAGO DÉCIMO, Agência Estado

22 de julho de 2013 | 20h01

O parlamentar disse que a Câmara vai fornecer a estrutura pedida pelos manifestantes que pretendem dormir no local, como a manutenção do fornecimento de energia elétrica e de água, além de um lanche. De acordo com ele, 14 jovens vão passar a noite na Casa - alguns outros integrantes do MPL montaram barracas do lado de fora da Câmara, onde pretendem fazer uma vigília.

Mais conteúdo sobre:
MPLSalvador

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.