Câmara de SP aprova porta com detector de metais em bancos

Prefeito Gilberto Kassab tem 60 dias para aprovar ou vetar lei; projeto válido no Estado aguarda sanção de Serra

Elvis Pereira, estadao.com.br

14 de maio de 2008 | 19h48

Por unanimidade, a Câmara Municipal de São Paulo aprovou nesta quarta-feira, 14, o substitutivo ao projeto de lei 09/2008, que prevê a obrigatoriedade da instalação de portas de segurança com detector de metais nas agências bancárias da capital. O resultado da segunda e última votação foi divulgado pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região.  Para o presidente do sindicato, Luiz Cláudio Marcolino, trata-se de uma vitória. "A porta de segurança com detector de metais em pleno funcionamento é uma reivindicação histórica da categoria, por representar um instrumento fundamental para a redução de riscos de assaltos, sobretudo os mais violentos", afirmou.  O projeto será encaminhado ao prefeito Gilberto Kassab (DEM), que tem 60 dias para sancioná-lo ou vetá-lo. Caso a proposta seja aprovada, os bancos deverão se adequar à regra em 120 dias, contados a partir da publicação da lei. Os bancários pretendem pedir uma audiência com o prefeito, a fim de acelerar o processo.  Segundo o sindicato, outro projeto de lei, de autoria do deputado Marcos Martins (PT-SP), também prevê a instalação das portas, mas nas agências de todo o Estado. A Assembléia Legislativa o aprovou em 23 de abril. O governador José Serra (PSDB) tem 30 dias para sancioná-lo ou não.  Polêmica No final do ano passado, o sindicato havia entrado com uma ação contra a lei do vereador Dalton Silvano (PSDB), que pedia a remoção das portas giratórias com detectores de metais das agências bancárias do município. No dia 28 de dezembro, os bancários fizeram um protesto contra o deputado e a lei, na "10ª Corrida de São Pilantra", uma paródia da tradicional corrida de São Silvestre. O evento, organizado pelo sindicato, sempre se manifesta contra aqueles que durante o ano mais prejudicaram os bancários e a população.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.