Câmara prorroga CPI para investigar ilegalidades da Satiagraha

A Câmara dos Deputados prorrogou nesta terça-feira, por 60 dias, em votação simbólica, os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Escutas Telefônicas Clandestinas. O adiamento ocorreu depois de uma reportagem da revista Veja ter divulgado mais detalhes das supostas investigações irregulares feitas pelo delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz durante a Operação Satiagraha, da PF. Segundo a publicação, o delegado teria espionado autoridades do Executivo, do Congresso e do Judiciário de forma ilegal. Na Operação Satiagraha, a Polícia Federal chegou a prender o banqueiro Daniel Dantas, o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta e o investidor Naji Nahas, os quais já foram libertados pela Justiça. O relator da CPI, deputado Nelson Pellegrino (PT-BA), afirmou que pretende convocar Queiroz e também o delegado federal que investiga os abusos cometidos pela Operação Satiagraha, Amaro Ferreira. O prazo de funcionamento do colegiado expiraria no domingo. (Reportagem de Fernando Exman)

REUTERS

10 de março de 2009 | 19h34

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICACPIGRAMPOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.