Campanha contra paralisia infantil termina amanhã

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite termina nesta sexta-feira, 21. Em dez dias de campanha, 65,2% do público-alvo - crianças entre seis meses e cinco anos de idade - receberam a vacina que imuniza contra a paralisia infantil, segundo último balanço do Ministério da Saúde, que considerou dados até essa segunda-feira, 17.

GABRIELA VIEIRA, Agência Estado

20 de junho de 2013 | 12h49

A meta da campanha é vacinar ao menos 12,2 milhões de crianças em todo o País, número que corresponde a 95% do público-alvo. Ainda de acordo com o balanço, os Estados com o maior número de crianças imunizadas são: Rio Grande do Sul (76,4%), Paraná (76,4%) e Rondônia (75,5%). São Paulo vacinou mais de 1,8 milhões de crianças, o que equivale a 71,1% da meta estadual.

A coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI), Carla Domingues, disse que os números estão dentro dos objetivos da pasta, mas ressaltou a importância dos pais ou responsáveis levarem as crianças aos postos para tomar a dose da vacina até esta sexta-feira. "É fundamental também que os pais não se esqueçam da caderneta de vacinação, para que o profissional de saúde possa avaliar a situação vacinal da criança, considerando o esquema sequencial", explicou Carla.

Não há tratamento contra a paralisia infantil e a vacina é a única forma de prevenção contra a doença. Ela protege contra os três sorotipos do vírus. Segundo o Ministério, mesmo as crianças que estejam com tosse, gripe, coriza, rinite ou diarreia, podem receber as gotinhas da vacina.

No Brasil, o último caso registrado de poliomielite foi há 24 anos e, desde 1994, o País detém o certificado erradicação da doença da Organização Mundial de Saúde (OMS). No entanto, o Ministério mantém a campanha anual de vacinação para evitar a reintrodução do vírus, que ainda é registrado em alguns países africanos. A pasta não informou se haverá ou não prorrogação da campanha.

Tudo o que sabemos sobre:
vacinaçãoparalisia infantil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.