Campanha de Obama devolve doações ligadas a fugitivo mexicano

A campanha de reeleição do presidente Barack Obama devolverá mais de 200 mil dólares em doações da família de um magnata de cassinos fugitivo ligado a corrupção e violência no México, e que busca perdão de um governador nos EUA, confirmou na terça-feira a campanha de Obama.

REUTERS

07 de fevereiro de 2012 | 08h08

"Mais de 1,3 milhão de norte-americanos doaram para a campanha e nós constantemente reavaliamos essas contribuições por quaisquer razões", afirmou o porta-voz da campanha Ben LaBolt em um e-mail, após o New York Times reportar a decisão na noite de segunda-feira.

"Baseados nas questões que foram levantadas, nós vamos devolver as contribuições destes indivíduos e de qualquer outro doador que eles trouxeram para a campanha", LaBolt disse.

Os irmãos Carlos e Alberto Rojas Cardona, que vivem e trabalham em Chicago, começaram a arrecadar dinheiro para a campanha de Obama e para o Comitê Democrático Nacional no segundo semestre do ano passado, relatou o New York Times. De acordo com o jornal, nenhum deles tinha um histórico anterior de doações políticas.

Um irmão deles, Juan José Rojas Cardona, conhecido como Pepe Cardona, pagou fiança em 1994 no Estado de Iowa e desapareceu, fugindo de acusações de envolvimento com drogas e fraude nos EUA, afirmou o jornal.

Um documento do Departamento de Estado de 2009 disse que Pepe Carona era suspeito de orquestrar o assassinato de um rival nos negócios e de fazer doações ilegais para campanhas de autoridades mexicanas, segundo o artigo.

O New York Times citou autoridades da campanha da Obama que afirmaram que grande parte da doação de 200 mil dólares veio dos irmãos Cardona em pessoa ou outros parentes. A campanha está fazendo uma triagem de outras doações, que se acredita somem menos de 100 mil dólares, vindas de outras pessoas, disse o jornal.

(Por JoAnne Allen)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAELEICOESCAMPANHADOACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.