Campanha de Romney diz que rivais não podem alcançá-lo

A campanha de Mitt Romney avisou na quarta-feira a seus rivais que se considera inalcançável, e que os demais pré-candidatos republicanos deveriam desistir da disputa após os resultados da "Superterça".

SAM YOUNGMAN, REUTERS

07 Março 2012 | 20h52

Romney venceu em seis dos dez Estados em disputa, incluindo um triunfo apertado no mais importante deles, Ohio. Os resultados não representam um nocaute eleitoral, mas reforçam o favoritismo do ex-governador de Massachusetts para ser indicado pelo Partido Republicano para enfrentar Barack Obama na eleição presidencial de novembro.

O ex-senador Rick Santorum venceu em três Estados, e o ex-deputado Newt Gingrich ganhou em um. Isso basta para manter vivas as pré-candidaturas deles, e eleva a chance de que a disputa republicana se arraste por vários meses. Santorum e Gingrich prometeram não desistir.

Segundo contagens informais da imprensa, Romney já soma mais de 400 dos 1.144 delegados necessários para ser aclamado candidato na convenção partidária de agosto.

A campanha de Romney divulgou um memorando argumentando que os demais pré-candidatos estão contrariando os "princípios básicos da matemática" e têm poucas chances de ultrapassar o favorito, já que na maioria dos Estados que ainda não fizeram eleições primárias os delegados são distribuídos de forma proporcional à votação, e não sob o critério de que o vencedor leva tudo.

"A 'Superterça' reduziu drasticamente a probabilidade de que algum dos oponentes do governador Romney possa obter a indicação republicana", disse Rich Beeson, assessor do pré-candidato, em memorando aos jornalistas.

Segundo ele, a relutância dos rivais em desistir só beneficia o democrata Obama.

Mas a campanha de Santorum disse que Romney quer a desistência do ex-senador para poder se mover politicamente para o centro, abandonando o eleitorado conservador que ainda desconfia dele por causa de posições assumidas no passado a respeito de questões como aborto e saúde pública.

"Ele quer a gente fora para que ele possa parar de falar de conservadorismo", disse Hogan Gidley, porta-voz do pré-candidato. "Há todo um jogo a ser jogado aqui. Restam 28 Estados. Eles vão ter uma chance de expressar sua opinião nessa corrida também."

Os aliados de Santorum pediram a Gingrich para que desista da disputa, de modo que Santorum se consolide como alternativa conservadora ao moderado Romney. "Newt se tornou um empecilho a uma alternativa conservadora", disse Stuart Roy, assessor de um grupo de apoio a Santorum, em um memorando.

O bom desempenho de Santorum na "Superterça" mostra a dificuldade de penetração de Romney junto a grupos importantes do eleitorado republicano. Mas Romney disse que o partido vai se unir quando ele selar a indicação.

"Quando tivermos um indicado, vamos nos unir, porque Barack Obama organizou a comunidade conservadora", disse Romney à CNBC, referindo-se à forte rejeição dos conservadores ao atual presidente, candidato à reeleição. "Vamos nos unir porque realmente acreditamos que ele precisa ser substituído."

Mais conteúdo sobre:
EUAELEICOES ROMNEY CAMPANHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.