Campanha de vacinação começa no sábado

A segunda etapa da campanha de vacinação começa neste sábado em todo o País. Até o dia 24, crianças de até 5 anos devem ser levadas a um posto para atualizar a carteira de saúde. Nessa etapa, duas novas vacinas passam a integrar o programa: a de pólio injetável e a pentavalente (que protege contra difteria, tétano, coqueluche, Haemopilus influenzae tipo B e hepatite B).

LÍGIA FORMENTI / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2012 | 03h05

A vacina injetável contra pólio será aplicada apenas em crianças que até hoje não foram imunizadas contra a doença. A pentavalente, nas crianças com 2, 4 e 6 meses. Os reforços serão feitos com a DTP.

A coordenadora do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde, Carla Domingues, afirma que crianças que começarem o novo esquema de vacinação contra a paralisia infantil receberão as primeiras duas doses da vacina (aos 2 e 4 meses) na versão injetável e as duas demais, de reforço, na versão em gotas. "A recomendação da OMS é de que, a partir da erradicação da pólio no mundo, esperada para os próximos cinco anos, todos os países passem a adotar a versão injetável. Começamos a transição agora", disse. Atualmente, três países registram casos de paralisia infantil: Nigéria, Afeganistão e Paquistão.

Atualização. Nessa segunda etapa da campanha, estarão disponíveis nos 34 mil postos fixos de vacinação todas as 14 vacinas oferecidas no programa de imunização. O governo pretende avaliar e atualizar a carteira vacinal de 14,1 milhões de crianças.

Crianças das Regiões Norte, Nordeste e das cidades do Vale do Mucuri e do Vale de Jequitinhonha, em Minas, receberão no período megadoses de vitamina A. Integrante da Ação Brasil Carinhoso, a estratégia pretende reduzir o risco de problemas como infecções e atraso no desenvolvimento cognitivo, encontrados em crianças com deficiência da vitamina. Ao todo, 2.434 municípios selecionados vão distribuir o suplemento. A expectativa é de que 3 milhões de crianças tenham acesso à vitamina.

Cálculos do ministério indicam que aproximadamente 20% dos menores de 5 anos apresentam algum tipo de deficiência de vitamina A. A previsão é de que, até final do ano, o suplemento chegue a todos os municípios do programa Brasil sem Miséria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.