Câncer deve matar 13,2 milhões em 2030

As mortes anuais por câncer no mundo - 7,6 milhões em 2008 - deverão quase dobrar até 2030, atingindo 13,2 milhões de pessoas. A estimativa foi divulgada ontem pela Agência Internacional para Pesquisa sobre Câncer (Iarc). Cerca de 21,4 milhões de casos deverão ser diagnosticados por ano em 2030.

LONDRES, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2010 | 00h00

A Iarc estima que a maior parte das mortes registradas em 2008 ocorreu em países em desenvolvimento. "Naquele ano, esse grupo de países registrou 56% dos 12,7 milhões de novos casos e 63% das mortes", afirmou Freddie Bray, um dos encarregados do estudo, que avaliou 27 tipos de câncer.

Outro pesquisador, Jacques Ferlay, diz que não é possível comparar os dados de 2008 com os de 2002, pois a metodologia mudou. Apesar disso, Ferlay diz que a mortalidade associada ao câncer tem crescido.

Os dados, diz o diretor da Iarc, Christopher Wild, representam a mais precisa avaliação sobre a incidência global de câncer e ajudarão os responsáveis por políticas internacionais de saúde a desenvolver suas ações. / EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.