Capela Sistina ganha réplica virtual no Second Life

Recriação da igreja é autorizada pelo Vaticano e traz informações sobre cada afresco

Lucas Pretti, do estadao.com.br,

03 Agosto 2007 | 14h18

A famosa Capela Sistina, construída no Vaticano em 1483 e cujas paredes e tetos receberam pinturas de expoentes do Renascimento, como Michelangelo, Perugino, Botticelli e Rafael, tem uma réplica no mundo virtual do Second Life. A recriação, inclusive, é autorizada pela Igreja Católica.    Veja galeria de imagens da Capela Sistina   Veja também  Outras imagens do Second Life  Mais sobre a Capela Sistina   Cada afresco e tapeçaria é identificado com o nome e o autor. A capacidade de voar que os avatares têm torna a visita única, já que é possível chegar perto das obras – na vida real, turistas usam binóculo para admirar as paredes.   É possível também mover a tela como se fosse uma câmera, inverter o ângulo, alterar enquadramento e aproximar/afastar a visão dos afrescos. Como o prédio tem proporções reais, o avatar se sente como se estivesse na Capela Sistina verdadeira.   A recriação foi desenvolvida por Steven J. Taylor, diretor de computação do Vassar College, escola de artes de Nova York. Todo visitante recebe um cartão com informações históricas sobre a Igreja e a capela, usada na vida real para conclaves de bispos na escolha de papas.   As coordenadas para visitar a Capela Sistina são Vassar (165, 91, 24). Quem tem o software do Second Life instalado, pode clicar aqui para ser teleportado diretamente para o local.   MetaNews   O Second Life ganhou versão brasileira em abril, distribuída no País pela Kaizen Games e pelo iG. Desde o final de junho, o Grupo Estado também edita o MetaNews no mundo virtual. Atualizado de forma dinâmica, traz notícias sobre o mundo virtual e dicas de lugares interessantes, eventos e agenda cultural.   O MetaNews é distribuído nas coordenadas MLBR Copacabana 3 (164, 150, 23). Clique aqui para teleportar e pegar um exemplar.

Mais conteúdo sobre:
Second Life Capela Sistina

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.