Caprichosa e do frio

Dos Valles de Casablanca e San-Antonio-Leyda saem os tintos Pinot Noir que tiveram as melhores notas nas edições de 2008 do Guia de Vinos de Chile e do guia Descorchados

saul.galvao@grupoestado.com.br, O Estado de S.Paulo

31 Julho 2008 | 03h17

A Pinot Noir encontrou suas melhores condições no Chile nos Valles de Casablanca e San-Antonio-Leyda. Na semana passada, provamos os exemplares daquelas zonas com preços até R$ 40. Agora, abordamos os de uma faixa intermediária, até R$ 80. No futuro, pretendemos chegar aos de elite, os mais caros. Desses vales também são "todos" os que conseguiram as melhores notas nas edições de 2008 do Guia de Vinos de Chile e do guia Descorchados, de Patricio Tapia. A Pinot Noir é uma uva delicada, caprichosa, que gosta do frio e alcança ápice em sua terra de origem, a Bourgogne. Os tintos da Bourgogne são inimitáveis. Mas podemos encontrar bons vinhos feitos com a Pinot Noir em outros países. Há pouco tempo, a vinicultura no Chile se limitava praticamente a uma estreita faixa de terra que fica entre os Andes e a Cordilheira da Costa. São as zonas de Aconcagua e do Valle Central, que utilizam as águas que correm das geleiras dos Andes para irrigar as vinhas. Em 1982, o grande enólogo Pablo Morandé plantou as primeiras videiras no Valle de Casablanca, entre a Cordilheira da Costa e o Pacífico - de onde chegam as brisas frias. A água vem de poços artesianos, mas, naturalmente, Casablanca atraiu as uvas que gostam do frio. De seus quase 3.700 hectares de vinhas, a Chardonnay ocupa um pouco mais de 1.800 hectares; a Sauvignon Blanc, perto de 580 e a Pinot Noir em torno de 500 hectares. Já San-Antonio-Leyda tem em torno de 300 hectares de vinhas, mas está crescendo rápido. SANTA HELENA SELEC. DEL DIRECT. PINOT NOIR 2006 ONDE ENCONTRAR: INTERFOOD TEL. 2602-7255 PREÇO: R$ 60 COTAÇÃO: 88/100 PONTOS A Santa Helena vem mantendo um bom nível com vinhos numa faixa intermediária de preços. Ela é controlada pela gigante San Pedro, mas tem autonomia. Faz vinhos com uva de diferentes regiões. Este é do Valle de Casablanca. Tinto alegre, gostoso, simples e mais do que no ponto. Do tipo que deve ser bebido jovem. Provei recentemente um exemplar com uns quatro ou cinco anos já não tão gostoso. Cor típica da Pinot. Rubi clarinho. Aroma intenso, que evoca um Pinot Noir e também mostrou aspectos vegetais, talvez menta, característico dos tintos chilenos. Um aroma muito agradável. Na boca, típico, macio e gostoso. Não encorpado e nem com muita intensidade de sabor, mas limpo, ligeiro e uma acidez gostosa, que induz ao próximo gole. Redondo, sem arestas e longo. Álcool corretamente equilibrado. 14% de álcool. MONTES ALPHA PINOT NOIR 2006 ONDE ENCONTRAR: MISTRAL R. ROCHA, 288, TEL. 3372 34001 PREÇO: R$ 64,24 COTAÇÃO: 90/100 PONTOS A vinícola Montes é uma das melhores do Chile e visa principalmente à exportação. Vinhos de vários níveis. Os varietais da linha Montes Alpha são da elite da empresa e costumam ser muito bons. Este, não dos mais baratos, acaba tendo boa relação qualidade-preço. Um tinto muito bom, mas não dos mais típicos. Bastante intensidade de cor, não comum nos feitos com a Pinot Noir. Aroma ótimo, complexo, mas não dos mais típicos. Não evocou muito a uva de origem. Toques minerais na primeira impressão. Depois foram aparecendo frutas e algo de chocolate, de cacau. Também toques tostados. Influência da madeira sensível. Na boca, redondo, intenso, potente, encorpado, quente. Aparecem evocações de coco. Macio, mas um pouquinho alcoólico. Longo, deixa sensação agradável, que se manteve por bom período. 14,5% de álcool. ERRAZURIZ WILD FERMENTED PIN. NOIR 2006 ONDE ENCONTRAR: VINCI TEL: 6097-0000 PREÇO: R$ 78,89 COTAÇÃO: 89/100 PONTOS A Errazuriz é uma empresa de ponta, com muita tradição. Vinícola e vinhedos principais no Valle Aconcagua, que fica ao norte de Santiago. Também produz vinhos com uvas de outras regiões, como este, de Casablanca. A expressão wild fermented indica que foram foram usados apenas fermentos naturais no processo de fermentação. É mais comum a adição de fermentos desenvolvidos em laboratório para iniciar a fermentação, isto é, a transformação do açúcar da uva em álcool. O resultado, no caso é um tinto gostoso, concentrado e muito equilibrado. Aroma potente, com algo de chocolate e uma sugestão floral muito agradável. Segue no mesmo tom no início de boca: floral, complexo, intenso e equilibrado. Já pronto, mas pode melhorar com um pouco mais de tempo na garrafa. Final um pouco rústico, o ponto mais fraco. 14% de álcool. GARCEZ SILVA AMAYNA PINOT NOIR 2006 ONDE ENCONTRAR: MISTRAL R. ROCHA, 288 PREÇO: R$ 80 COTAÇÃO: 89/100 PONTOS A Garcez Silva é uma vinícola nova, moderna e foi uma das pioneiras no Valle de San-Antonio-Leyda. Seus tintos Pinot Noir costumam se destacar. O exemplar de 2006 está gostoso, pronto, mas deve ficar melhor com mais tempo na garrafa. Melhorou depois de um tempo no copo. Bastante intensidade de cor. Escurão, quase violáceo. Aroma "doce", de frutas maduras, realmente gostoso, porém não tão intenso e nem muito típico. Consideravelmente melhor na boca, onde começou intenso, redondo e charmoso. É um vinho frutado, equilibrado, sem arestas. Complexo, com várias nuances. Encorpado. Deu a impressão de peso, de encher a boca. Álcool muito bem integrado. Macio, sedoso, mas caiu um pouco ao final, que ficou meio rústico. 14% de álcool.

Mais conteúdo sobre:
vinhos saul galvao

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.