Captura de Bin Laden é prioritária

Comandante militar americano muda discurso e mira objetivo tangível para esforço de guerra no Afeganistão

Gustavo Chacra, NOVA YORK, O Estadao de S.Paulo

10 Dezembro 2009 | 00h00

A captura do líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, ainda é uma prioridade dos Estados Unidos, de acordo com os dois principais representantes americanos no Afeganistão. As afirmações foram feitas em audiência no Congresso americano.

"Acredito que, a esta altura, Bin Laden é um ícone cuja sobrevivência fortalece a Al-Qaeda em todo o mundo", disse o general Stanley McChrystal, comandante das forças americanas no Afeganistão e responsável pela estratégia de enviar mais 30 mil soldados americanos, anunciada na semana passada pelo presidente Barack Obama. "Não creio que os EUA possam derrotar a Al-Qaeda até que ele seja morto ou capturado", acrescentou. Na prática, McChrystal tenta colocar um objetivo tangível para o esforço de guerra no Afeganistão.

O embaixador americano em Cabul, Karl Eikenberry, endossou o discurso. "Bin Laden ainda é importante para os EUA e para todo o mundo", disse. Eikenberry e McChrystal procuraram também mostrar sintonia sobre a nova estratégia para o Afeganistão, depois de terem divergido sobre o envio das tropas. O embaixador, inicialmente, se posicionou contra pois desconfia do presidente Hamid Karzai.

Bin Laden está desaparecido desde antes dos atentados de 11 de Setembro. Na época, ele estava no Afeganistão. No fim daquele ano, durante a invasão americana para combater a Al-Qaeda e a milícia extremista Taleban, os EUA e seus aliados estiveram perto de capturá-lo. Atualmente, especula-se que Bin Laden esteja em algum local da fronteira entre o Afeganistão e o Paquistão. Há relatos ainda de que ele esteja escondido em grandes cidades paquistanesas ou no distante Iêmen. Ocasionalmente, fitas com uma voz atribuída a ele são divulgadas. Os EUA oferecem US$ 50 milhões de recompensa para quem oferecer informações que levem à sua captura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.