Cardápio de papel? Não. Agora ele é digital

Cliente do eñe consultará laptop fino como uma revista

Janaina Fidalgo,

08 Outubro 2009 | 11h15

EXTRAS - 'Brinquedo' traz fotos de pratos e harmonização de vinhos Você chega ao restaurante, o maître o acompanha à mesa e o garçom anota as bebidas. Até aí, nada de novo. Quando traz o cardápio, surpresa. Cadê o velho menu de papel? O que chega às mãos do cliente é um moderníssimo cardápio digital, um laptop fino como uma revista, pequeno como uma carta de vinhos e leve como um prato de sobremesa – 600g, pesados na balança do chef. O Paladar testou a novidade, que chegará ao eñe de São Paulo na segunda quinzena deste mês – a filial carioca tem cinco PocketStylePCs Vaio, da Sony, desde a abertura. O "brinquedinho", como já foi carinhosamente apelidado pelos funcionários, tem exatamente o mesmo conteúdo do cardápio analógico, com duas vantagens em relação a este. A primeira é visual e alimenta a ideia do "comer com os olhos". A possibilidade de ver como é a apresentação de cada prato é tentadora. Quem chega muito faminto ficará ainda mais quando vir as apetitosas fotos que, ao serem ampliadas, trazem ao lado o nome e a descrição do prato e o preço. Outra diferença é a sugestão de harmonização de vinhos, inexistente no cardápio de papel – que continuará existindo. A carta de vinhos e de drinques, porém, ainda não foi digitalizada. Dependendo da aceitação do cardápio digital, diz o maître Danny Obregon, a ideia é que as bebidas também migrem para ele. No começo, você pode estranhar o mouse, uma bolinha minúscula no meio de um teclado tão pequeno quanto. Mas logo pega o jeito. E aí vai querer clicar em todos os pratos. Até nos que não pretende pedir. Portanto, evite mesas grandes. Como serão apenas cinco, você corre o risco de ter de dividir o seu brinquedinho com os outros companheiros de jantar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.