Cardozo debate com Anastasia pacto contra crime

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, deu seguimento à cruzada por um pacto nacional contra o crime organizado. Depois de se reunir com o governador do São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), no início da semana, o ministro se encontrou hoje com o governador de Minas Gerais, o também tucano Antonio Anastasia, para ouvir algumas das prioridades do Estado em relação ao tema.

MARCELO PORTELA, Agência Estado

20 de janeiro de 2011 | 19h03

O pacto nacional foi uma proposta defendida por Cardozo em seu discurso de posse, mas, hoje, o ministro assumiu que ainda não há nenhuma proposta concreta nem recursos para ações coordenadas. "Primeiro devemos pensar em políticas, para depois pensar em recursos", afirmou, após a reunião.

Cardozo disse que há disposição do governo federal de repassar recursos para que os Estados possam investir no combate ao crime organizado e ao tráfico de drogas, mas ressaltou que essas parcerias serão feitas "no limite da possibilidade orçamentária". E garantiu que as cores partidárias não vão influenciar nas parcerias e, principalmente, no repasse de verbas.

"Pouco importará ao governo federal se o governo que está dirigindo este ou aquele se alinha com as forças de oposição ou situação", disse. Durante seus mandatos, o ex-governador Aécio Neves (PSDB) já havia reclamado que recursos prometidos pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva para investimentos na área não foram repassados ao Estado.

Para Anastasia, porém, o encontro de hoje pode "sepultar eventuais rusgas do passado". "Acreditamos que tem aqui um terreno muito fértil para essa cooperação. A segurança pública é uma política que está ligada a uma realidade que está fora da fronteira dos Estados", concluiu. Amanhã, Cardozo deve se reunir com o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT), e também já teria encontros agendados com os governadores do Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco, Ceará e Espírito Santo.

Tudo o que sabemos sobre:
crimeviolênciaJustiçaMinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.