Carlyle capta US$1,38 bi para 1o fundo de energia após Riverstone

O Carlyle Group levantou 1,38 bilhão de dólares para um fundo que emprestará recursos a empresas e projetos energéticos, quase o dobro de sua meta inicial, em seu primeiro esforço de captação de recursos focado em energia após o final de sua colaboração com a Riverstone.

GREG ROUMELIOTIS, Reuters

27 de novembro de 2012 | 16h11

Vastas reservas de gás natural e petróleo liberadas de depósitos subterrâneos de xisto estão gerando um renascimento energético nos Estados Unidos, com companhias fazendo fila para captar recursos para projetos no setor.

Desde 2000, o Carlyle e o Riverstone lançaram seis fundos de maneira conjunta, focando em participações nos setores de energia, acumulando cerca de 15 bilhões de dólares no total de ativos sob gestão. Mas as duas companhias de private equity decidiram trilhar seus próprios caminhos em 2011.

O Carlyle, que gerencia um total de 157,4 bilhões de dólares em ativos em uma ampla faixa de classes alternativas de ativos, incluindo participações, mercado imobiliário e hedge funds, disse nesta terça-feira que seu novo fundo Carlyle Energy Mezzanine Opportunities Fund, de 1,38 bilhão de dólares, excedeu sua meta inicial de captação de recursos de 750 milhões de dólares.

"Estamos encantados pela fé que investidores demonstraram em nós e em nossa estratégia", disse o co-chefe da equipe de investimento em crédito energético do Carlyle, que era anteriormente o chefe global de finanças estruturada e de projetos do Morgan Stnaley, em comunicado.

O Carlyle Energy Mezzanine Opportunities Fund fez seis investimentos até agora, incluindo um resgate da refinaria da Philadelphia da Sunoco em julho passado. Ele tem como objetivo uma taxa interna bruta de retorno de 15 por cento a 18 por cento para investimentos nos Estados Unidos e no Canadá, de acordo com o Portfolio Avisors, uma empresa de consultoria em investimentos alternativos.

Tudo o que sabemos sobre:
FINANCASCARLYLERIVERSTONE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.