Carnaval 2011: Imperatriz promete curar todas as dores

Sinônimo de alegria, festa e despreocupação, aparentemente o carnaval não tem muita relação com a medicina. Mas este ano a Imperatriz Leopoldinense pretende superar essa distância, ao contar no sambódromo carioca a evolução da arte de salvar vidas, desde o misticismo inicial até o mapeamento do DNA, passando por diversas civilizações. "Fácil não foi. A medicina tem uma história muito grande para ser contada em apenas um desfile. Mas acho que vamos fazer um belo espetáculo", conta o diretor de carnaval da escola, Wagner Araújo.

ÁLVARO CAMPOS, Agência Estado

21 de fevereiro de 2011 | 14h31

Após o oitavo lugar no ano passado, a escola está lutando para voltar aos bons tempos - a Imperatriz já venceu o carnaval do Rio oito vezes; o último título foi em 2001. No último mês antes do desfile, a agremiação realiza três ensaios por semana. "Ainda tem muita coisa para fazer. Os artistas estão sempre mudando de ideia. Mas vai estar todo mundo afinado. Estamos lutando para isso", garante Araújo. Este ano a escola terá 3,2 mil componentes, divididos em 41 alas. Com sete carros alegóricos, a Imperatriz será a segunda escola a desfilar, no dia 6 de março (domingo).

Com o enredo "A Imperatriz adverte: sambar faz bem à saúde", uma das apostas da escola é a força da sua bateria. Apesar do desempenho ruim da agremiação no ano passado, a bateria obteve nota máxima, comandada pela rainha Luiza Brunet, que mais uma vez estará à frente do grupo este ano. "A comissão de frente tem muita leveza e também deve ter um resultado muito bom", acrescenta o carnavalesco.

Fundada em 1959, a Imperatriz Leopoldina ganhou fama nacional em 1972, quando serviu de cenário para a novela "Bandeira 2", da TV Globo. Incrustada na Zona da Leopoldina, no bairro Recreio de Ramos, próxima do Complexo do Alemão, a Imperatriz não deve dar destaques a celebridades no seu desfile. "Celebridade não vem à escola, não frequenta ensaios. Nós temos de valorizar a nossa comunidade", explica Araújo.

Confira o samba-enredo da Imperatriz Leopoldinense:

Um ritual de magia...

Oh! Mãe África,

Do teu ventre nascia o poder de curar!

Despertam as antigas civilizações,

A cura pela fé nas orações!

Mistérios da vida, o homem a desvendar...

A mão da ciência ensina:

O mundo não pode parar!

Uma viagem no tempo... a me levar!

O valor do pensamento a me guiar!

O toque do artista no Renascimento,

Surge um novo jeito de pensar!

Luz - Semeando a ciência,

A razão na essência, o dever de cuidar!

Luz - A medida que avança,

Uma nova esperança que nos leva a sonhar!

Segredo - A "Chave da Vida",

Perfeição esculpida, iludindo o olhar...

Onde a medicina vai chegar?

No carnaval, uma injeção de alegria,

Dividida em doses de amor,

É a minha escola a me chamar, doutor!

Posso ouvir no som da bateria,

O remédio pra curar a minha dor!

Eu quero é sambar!

A cura do corpo e da alma no samba está!

Sou Imperatriz, sou raiz e não posso negar:

Se alguém me decifrar

É verde e branco meu DNA!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.