Carnaval 2011: Mangueira exalta Nelson Cavaquinho

Uma das gigantes do carnaval carioca, a Mangueira conta no carnaval de 2011 a história de um de seus ilustres personagens: Nelson Antônio da Silva, o Nelson Cavaquinho, que completaria seu centenário, se estivesse vivo, este ano. A escola leva ao sambódromo o "caso de amor" entre o sambista e a comunidade da zona norte da capital fluminense. E ao lembrar o encontro de Nelson com a boemia do morro a partir da década de 1930, a Mangueira volta o olhar sobre ela mesma, em uma homenagem velada.

WLADIMIR D'ANDRADE, Agência Estado

28 de fevereiro de 2011 | 08h13

A Mangueira coloca na avenida a história de Nelson Cavaquinho contada por ninguém mais que... o próprio sambista. De acordo com o enredo divulgado pela escola, Nelson estará na Marquês de Sapucaí, "com o seu talento e a sua poesia, para dizer que o Rio de Janeiro é esta festa de criatividade porque tem filhos como ele". "O Nelson faleceu, mas na nossa escola ele permanece vivo", diz o carnavalesco Wagner Gonçalves. "Muito do desfile é uma homenagem à própria Mangueira e por isso a escola toda vem muito estimulada", completa.

Nelson Cavaquinho apareceu no Morro de Mangueira na década de 1930, quando ainda era soldado da Polícia Militar por influência do pai, integrante da banda de música da corporação. Sua história musical - ele tocava cavaquinho na época - acabou por aproximá-lo dos baluartes da Mangueira, Cartola, Carlos Cachaça e Zé Com Fome, entre outros. "Agora, o morro que ele tanto subiu é que desce para exaltar sua vida e sua obra", diz o enredo.

A Mangueira será a última agremiação a entrar na Marquês de Sapucaí no domingo (dia 6). Vem com 4 mil passistas, entre eles a modelo Gracyanne Barbosa. O desfile foi feito "a quatro mãos", como afirma Gonçalves, que divide com Mauro Quintaes a autoria do carnaval deste ano, que vai tentar levar o título que não consegue desde 2002. "A disputa está muito acirrada, mas vamos fazer um carnaval melhor que nos anos anteriores", afirma, ao destacar a afinidade entre os carnavalescos. "A vitória é consequência."

Confira o samba-enredo da Mangueira:

"O filho fiel, sempre Mangueira"

Autores: Alemão do Cavaco, Cesinha Maluco, Xavier, Ailton Nunes, Rifai, Pê Baianinho.

Intérpretes: Luizito, Zé Paulo Sierra e Ciganerey.

Quis o Criador me abençoar

Fazer de mim um menestrel

Traço o meu passo no compasso

Do surdo de primeira

Sou Mangueira!

Trilhei ruas e vielas

Morro de alegria, de emoção!

Procurando harmonia, encontrei a poesia

E me entreguei à boêmia

No Buraco Quente, Olaria e Chalé

Com meus parceiros de fé

Trago violão

No Zicartola, Opinião

Se te encantei com meu talento

Acabo te vendendo uma canção

Passei... Aquela dor venceu espinhos

"Amor Perfeito" em nosso ninho

Que foi desfeito ao luar

Prazer... Me chamam Nelson Cavaquinho

Tatuei em meu caminho

Seletas obras musicais

Sonhei que "Folhas Secas" cobriam meu chão

Pra delírio dessa multidão

Impossível não emocionar

Chorei... Ao voltar para minha raiz

Ao teu lado eu sou mais feliz

Pra sempre vou te amar!

Mangueira é nação... É comunidade!

"Minha Festa", teu samba ninguém vai calar!

Sou teu filho fiel, Estação Primeira,

Por tua bandeira vou sempre lutar!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.