Carnaval 2011: Tijuca brinca com medo, morte e cinema

Atual campeã do carnaval do Rio de Janeiro, a Unidos da Tijuca apresenta neste ano na Marquês de Sapucaí um longa-metragem, cujo principal personagem é a morte. O carnavalesco Paulo Barros explica que o enredo "Esta noite levarei sua alma" foi baseado em duas vertentes: o cinema e o medo. "O enredo surgiu a partir de dois conceitos dos quais quis falar: um é o cinema e o segundo, um repórter, no dia do desfile das campeãs (no ano passado), me perguntou se eu não tinha medo de arriscar tanto e a pergunta ficou pairando".

RENATA PEDINI, Agência Estado

28 de fevereiro de 2011 | 11h02

A morte será representada pelo barqueiro de Caronte, que percorrerá a avenida. "Caronte é o personagem, na mitologia grega, responsável por atravessar as almas dos mortos. O intuito dele é causar o medo. Mas será que ele consegue?". De acordo com Barros, "a morte se personifica em uma escultura do barqueiro de Caronte e em uma representação com pessoas. A escultura vem na abertura do desfile, já que nos convida a embarcar". Mas a ideia da escola é transformar o sombrio em piada, com outros personagens e até cenas de filmes. E, assim, ela fará um desfile alegre.

Segundo Barros, as referências para desenvolver o enredo foram experiências e imagens pessoais. Ele cita o filme Avatar, pela plástica e movimento, mas não adianta de que forma os elementos do filme estarão presentes. O carnavalesco acrescenta que serão homenageados o cinema brasileiro e o cineasta José Mojica Marins, o Zé do Caixão, no último setor do desfile.

O diretor de carnaval da escola, Ricardo Fernandes, confirma que Paulo Barros e outros integrantes passaram a dormir no barracão da escola, na Cidade do Samba, para trabalhar nos últimos ajustes de alegorias e para participar dos ensaios, que ocorrem inclusive durante as madrugadas. Mas Fernandes e Paulo evitam dar detalhes. Para o desfile deste ano, foram investidos R$ 9 milhões, cerca de R$ 1,5 milhão a mais em relação ao gasto do ano passado. Os componentes, entre eles a rainha de bateria, Adriane Galisteu, somam 3.596, divididos em seis setores. O diferencial da Unidos da Tijuca, afirma Fernandes, é "a força da sua comunidade, aliada a um conjunto técnico e artístico muito eficiente".

Confira o samba-enredo da Unidos da Tijuca:

Tá com medo de quê?

O filme já vai começar

Você foi convidado

Caronte no barco não pode esperar

Apague a luz, a guerra começou

Sob o capuz, delira o diretor

No filme que passa piada em cartaz

Pavor me abraça, isso não se faz

No espaço se vai, é a força que vem

Meu medo não teme ninguém

É o boom! Quem não viu? A casa caiu

Com a bomba na mão o vilão explodiu

O plano de fuga é jogo de cena

"Um Deus nos acuda"? Agita o cinema

Ele volta, revolta mistério no ar

Dos milharais uma estranha visão

Mais uma vez olha a encenação

Morrer de amar faz o povo gargalhar

Pare! Eu pego vocês, grita o mau condutor

Mas deu tudo errado, não há outro lado

Esse povo me enganou

Eu sou brasileiro, amor tijucano

Roteiro sem ponto final

Coitado o barqueiro entrou pelo cano

E brinca no meu carnaval

Eu sou Tijuca, estou em cartaz

Sucesso na tela meu povo é quem faz

Sou do Borel, da gente guerreira

A pura cadência levanta poeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.