Carne bovina faz sucesso em Anuga

Em um dos maiores eventos mundiais de alimentação, empresas do setor negociaram US$ 100 milhões

O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2007 | 04h19

Este foi o ano da carne bovina brasileira em Colônia, na Alemanha, durante a Anuga ( Mercado Mundial da Alimentação), entre os dias 13 e 17. Segundo a Agência de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, dos US$ 147 milhões negociados só no setor de carnes (bovina, suína e de aves), US$ 100 milhões foram em carne bovina.O volume total de negociações realizadas pelos 150 expositores brasileiros chegou a US$ 963 milhões. No total, 25 frigoríficos brasileiros participaram, além da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec).Segundo o diretor-executivo da Abiec, Antônio Camardelli, vários fatores contaram para o desempenho da carne bovina em Anuga. ''''Houve muita procura e pouca oferta, por causa da seca nas regiões produtoras no Brasil'''', diz. ''''O pouco que se tinha foi vendido por preços muito bons.''''O diretor de Exportação do frigorífico Marfrig, Andrew Murchie, concorda: ''''Em outros anos, a oferta estava alta e a pressão dos compradores por preços baixos era grande'''', diz. ''''Agora, o momento é de preços firmes e as chuvas atrasaram, daí a baixa oferta de carne'''', continua.Outro fator que reduziu a oferta de carne foi a revisão, pelo Ministério da Agricultura, das empresas certificadoras brasileiras, que dão a garantia de que a carne exportada é rastreada. ''''Várias certificadoras foram suspensas e estão tendo de arrumar a casa'''', diz Camardelli. Até um fator religioso contribuiu para incrementar os negócios: o Ramadã este ano não coincidiu com Anuga, então os muçulmanos puderam comparecer ao evento.MEIO AMBIENTEO estande brasileiro chamou muito a atenção para o tema meio ambiente, o boi de capim, produzido com respeito às normas ambientais e sociais, uma das principais exigências dos consumidores externos. Conforme descreve a gerente de Marketing da Abiec, Andréa Veríssimo, foi montado, no estande brasileiro, um restaurante para degustação da carne brasileira, o Brazilian Beef. ''''Na entrada do restaurante havia o Espaço Bioma, 130 metros quadrados com pasto natural e uma paisagem linda de uma fazenda'''', diz. ''''Colocamos uma série de informações sobre a pecuária brasileira e como o gado zebu se adaptou aos trópicos.''''Segundo o diretor-comercial do Frigorífico Independência, André Skirmunt, que participa como expositor em Anuga desde 1993, ''''é importante, para o consumidor final, a qualidade do produto como um todo. Não apenas a raça, mas as condições sanitárias do processo produtivo e as sustentabilidades social e ambiental e a apresentação na gôndola do supermercado'''', diz. ''''É este o conjunto que faz a força do produto brasileiro e a sua aceitação e valorização no contexto internacional.''''

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.