Carreta só será retirada da Washington Luís no sábado

A megacarreta que tombou na madrugada de sábado na Avenida Washington Luís, sentido bairro, zona sul de São Paulo, não será retirada de lá pelo menos até o próximo sábado. Essa foi a previsão dada ontem à noite pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e pela Tomé Transportes, responsável pelo veículo.

AE, Agência Estado

05 de julho de 2011 | 09h28

A primeira tentativa de içar o transformador de 198 toneladas, carga levada pela carreta, não deu certo. A Tomé levou um guindaste eletrônico ao local para içar a peça, mas como o veículo está em uma área inclinada, o aparelho não funcionou. A carreta tem 5,2 metros de altura, 92 metros de comprimento, 6,2 metros de largura e, com o transformador, pesa 428 toneladas.

"O guindaste suporta até 1,2 mil toneladas, mas ele não funciona desnivelado. Como o declive é muito grande, ele não consegue se nivelar sozinho. Vai ser preciso construir uma peça para apoiar a base do guindaste até que ele fique totalmente nivelado", explicou o secretário municipal de Transportes, Marcelo Cardinale Branco. Ele se reuniu ontem à tarde com representantes da empresa no local do acidente para traçar um novo plano de remoção. A Tomé deve entregar hoje à CET o cronograma para a retirada da carreta.

De acordo com Wilson Reis, superintendente de operação da Tomé, a peça seria construída na madrugada de hoje pela empresa. "Dois engenheiros estão trabalhando no projeto. O objetivo é deixar tudo pronto para amanhã (hoje), para que possamos iniciar a operação no momento em que a CET autorizar."

A Avenida Washington Luís faz parte da ligação do eixo norte-sul e é uma das mais importantes da região. Por volta das 19h de ontem, a lentidão na região chegava a cerca de três quilômetros. A fila de carros começava ao lado do Aeroporto de Congonhas e seguia até o local do acidente. A CET estima que a remoção deve durar mais de 12 horas. Por isso, optou em realizá-la no sábado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.