Cartas

Como aproveitar sobras de leiteTenho uma pequena propriedade, de 12 hectares, no interior de São Paulo, onde crio algumas vacas leiteiras. Ocorre que tenho tido um grande desperdício de leite na produção e gostaria de produzir queijos para aproveitar esse leite. Onde posso conseguir receitas?Luciana SobralSão Bernardo do Campo (SP)Conforme o professor Júnio César de Paula, da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), dependendo do volume de leite e das instalações disponíveis, pode-se optar pela fabricação de diferentes produtos. No caso de um volume pequeno (até 100 litros) a melhor opção para quem quer iniciar uma fabricação artesanal em casa é a fabricação do queijo minas frescal, pro causa da simplicidade de elaboração. Mas o professor destaca: "Se o produtor deseja vender o produto, é necessário cadastrar-se no Serviço de Inspeção Municipal, Estadual ou Federal, dependendo de onde for a comercialização." O Instituto de Laticínios Cândido Tostes, da Epamig, tem um programa regular de cursos práticos sobre fabricação de queijos convencionais e queijos finos. Informações podem ser obtidas no site www.candidotostes.com.br ou pelo telefone (0--32) 3224-3116, ramal 306. O professor indica ainda o site www.cienciadoleite.com.br (clicar no ícone tecnologias, à esquerda da tela), em que a leitora pode encontrar as tecnologias de produção de diversos tipos de queijo. Outra dica é a apostila Queijo Minas Frescal, que faz parte da coleção Agroindústria Familiar, da Embrapa Agroindústria de Alimentos. O autor é Fernando Teixeira Silva. Pode ser encontrada na livraria da Editora UFV, tel. (0--31) 3899-1518. Nêspera: desbaste auxilia na produçãoTenho uma frondosa nespereira em Diadema (SP), que produz todos os anos grande quantidade de frutos. Entretanto, todos têm tamanho reduzido e com um caroço proporcionalmente muito grande em relação à polpa. O que posso fazer para aumentar a relação polpa/caroço destes frutos? Aproveito para pedir orientação sobre como evitar a infestação dos mesmos por vermes ou lagartas.João Albuquerque Wagner jda.wagner@terra.com.brConforme os pesquisadores do Centro de Fruticultura do Instituto Agronômico (IAC), em Campinas, Rafael Pio e Edvan Chagas, para aumentar o tamanho dos frutos da nespereira, basta, no momento em que os frutos estiverem do tamanho de uma azeitona verde, realizar o desbaste, ou seja, tirar alguns frutos do cacho e deixar outros. Deve-se preservar em cada panícula (cacho) apenas quatro frutos. Cuidado, pois devem ser preservados os frutos de forma bem distribuída na panícula. Evite, ainda, que os que sobrarem fiquem perto um do outro. Para evitar o ataque de larva da mosca-das-frutas, que deterioram os frutos, deve-se ensacar o cacho logo após o desbaste. Para confeccionar o saco, pegue uma folha de jornal fechada, faça um cone e prenda-o com um grampo no meio, deixando ambas as extremidades abertas, ficando o saco no formato de um cone. Envolva a panícula com o saco e amarre-o, tomando o cuidado de preservar toda a panícula recoberta e deixando a extremidade aberta. Assim, a mosca não entrará no saco e não colocará os ovos sobre os frutos, pois a falta de luz ocasionada pelo saco afastará o inseto. Esses procedimentos também evitarão a incidência de mancha-arroxeada, ocasionada por choques entre os frutos e incidência direta de raios solares. Poda da aceloreira é feita após frutificaçãoSempre morei na capital e nunca tive nenhum contato com plantações. Meses atrás mudei para uma casa que tem um pé de acerola. Qual a data certa para podá-la? Pergunto isso porque houve uma chuva com muito vento e os galhos estão danificados. Mauro Caggiano mauro_caggiano@ecuspo.com.brSegundo o pesquisador do Centro de Fruticultura do Instituto Agronômico (IAC), Rafael Pio, no caso de ocorrência de ventos, chuvas e outros problemas que causem danos às frutíferas, deve-se podar os galhos danificados logo abaixo do corte ou quebra e pincelar o local com calda bordalesa, tinta látex ou cola de madeira. "As tesouras devem estar limpas e afiadas", alertam. Pode logo após o término da frutificação. Para preparar a calda bordalesa, veja no site da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral, www.cati.sp.gov.br/novacati/tecnologias/producao_agricola/calda/calda_bordalesa.htm . Ora-pro-nobis rosa não é comestívelRecebi duas mudas de ora-pro-nobis, muito apreciada em Minas Gerais. Quando as plantas floresceram, me informaram que, por ela não ter dado flores brancas, não era comestível (as flores das minhas plantas são bem rosadas). Gostaria de saber se, afinal, existem dois tipos de ora-pro-nobis, um comestível e o outro não?Maria Luiza LeãoRio de Janeiro (RJ)Segundo a responsável pela seção de Flores do viveiro Planta Matriz, em Mairiporã (SP), Olga Dosouto, a ora-pro-nobis que dá flores cor-de-rosa não é comestível. "Não temos informação de que essa espécie seja comestível, mas vamos mandar algumas amostras de folhas para análise para comprovar se a planta pode ser consumida ou não", diz Olga. A espécie comestível da ora-pro-nobis, que é bastante nutritiva, rica em aminoácidos, em proteínas e em vitaminas A e C, é a que dá flores brancas, com miolo laranja, muito perfumada. Nesse caso, as folhas podem ser refogadas, consumidas cruas, trituradas com água no liquidificador e acrescentadas à massa de pães e adicionadas ao arroz e ao feijão. Planta Matriz, tels. (0--11) 4485-1222 e 4485-3713. Telar parreiral evita ataque de pássarosTenho algumas videiras em minha pequena chácara. Os frutos, porém, são sempre atacados por pássaros, marimbondos, abelhas, formigas e moscas. Conforme recomendação, ensaquei os cachos, mas não obtive resultado. O papel rasga e dificulta a identificação do estágio de maturação da fruta. O que fazem os produtores comerciais? Há algum produto que evite o ataque de predadores?Antonio Sylvio MinguzziSão Paulo (SP)O fruticultor Antonio Roberto Losque, de Jundiaí (SP), diz que uma solução é telar a área. "Em áreas pequenas, instalar uma estrutura telada pode resolver. Há opções com coberturas móveis, que podem ser fechadas na época de safra e que protegem contra granizo." Segundo Losque, os prejuízos causados por pássaros aparecem em áreas pequenas de cultivo; em pomares comerciais, as perdas são diluídas. "Pássaros fazem orifícios nos frutos e o néctar exposto atrai abelhas, moscas e outros insetos", explica. Em sua propriedade, Losque telou uma pequena área de uvas viníferas para evitar estragos. Na Europa, diz, a prática de instalar telas para proteger videiras já é habitual. Quanto a um produto repelente, o produtor diz que existe um concentrado feito à base de uva com efeito irritante ao bico de pássaros. "Mas custa caro e precisa ser reaplicado se chover." O produtor se dispõe a orientar o leitor sobre a instalação da tela e a respeito do produto repelente de pássaros. Antonio Roberto Losque, tel. (0--11) 9989-5154. CORREÇÃOCom relação à reportagem Novo sistema para rastrear bovinos já está em vigor (23/1/2008), o Ministério da Agricultura esclarece: "A adesão ao Sisbov é obrigatória apenas para produtores que vendem carne para mercados que exigem controle da rastreabilidade, caso da União Européia. Não são todos os países importadores que incluem a rastreabilidade para comprar carne do Brasil."

O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2008 | 03h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.