Cartas

Onde obter dados sobre bambu Gostaria de saber mais sobre bambu. Qual ou quais os tipos mais recomendados para uso em construções? Quem produz mudas comercialmente e onde fazer cursos? Yotio Sato yotio.sato@terra.com.br O coordenador-geral da Escola de Bioarquitetura e Centro de Pesquisa e Tecnologia Experimental em Bambu (Ebiobambu), em Visconde de Mauá (RJ), Eliézio Sousa, diz que as espécies exóticas Guadua angustifolia (bambu colombiano) e Dendrocalamus giganteus (bambu gigante) são as mais adequadas para construções. A primeira espécie atinge 25 metros de altura e 20 centímetros de diâmetro. O bambu gigante ou imperial, que cresce até 30 metros, com 30 centímetros de diâmetro, é também usado na construção civil. Na Ebiobambu, que faz entregas via Sedex, a muda do bambu colombiano custa de R$ 17 a R$ 21 e a do bambu gigante sai por R$ 28. A escola também ministra cursos sobre diversas técnicas aplicadas ao bambu. O próximo curso será em abril de 2009. Ebiobambu, tels. (0--21) 2266-2197 e 2527-7537 ou www.ebiobambu.com.br. Outra opção é o site www.bambubrasileiro.com, que traz informações sobre espécies, plantio e morfologia, tratamento e utilizações do bambu. No site www.agenciabambu.com.br, da Agência Bambu de Conhecimento, também há dicas de cursos e palestras. Semente nem sempre dá boa mangueira Envio a foto de uma mangueira híbrida. Aparentemente já é uma planta adulta, mas não floresceu e nunca deu frutos. Por quê? Elaine dos Anjos Pereira São Paulo (SP) O pesquisador Carlos Jorge Rossetto, da Apta Pólo Noroeste Paulista, em Votuporanga, diz que esta mangueira deve ser originada de semente. "Toda árvore de semente tem um período juvenil antes de florescer, que, na mangueira, vai de 2 a 10 anos." A árvore ainda pode estar no período juvenil. Rossetto diz que, para as condições tropicais, as mangueiras dividem-se em dois grupos. Há as que florescem bem em condições tropicais e outras de difícil florescimento. "Uma variedade do segundo grupo é a tommy atkins", diz ele, que sugere submeter a planta a alguma situação de stress. "Com orientação, pode-se fazer um corte em forma de anel da casca para forçar o florescimento." Apta, tel. (0--17) 3421-8148. Castanha portuguesa se estraga rápido Há 40 anos tenho uma castanheira portuguesa que produz regularmente bons frutos: grandes, saudáveis, saborosos. Entretanto, após cinco ou seis dias da colheita, os frutos mofam e endurecem. Mesmo postos na geladeira, adquirem tom esverdeado e escurecem. F.L.C. shoppingcomtour@yahoo.com A pesquisadora Silvana Catarina Sales Bueno, da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), diz que a colheita deve ser diária, já que a fruta, por ser composta por carboidratos, proteínas e 40% de água, é bastante perecível. Ela recomenda também manter a área sob as copas roçada e sem frutos velhos. "Em alguns casos, lonas ou redes suspensas sob as copas diminui a infecção das amêndoas por microrganismos." Outra causa pode ser a infestação de brocas. "Por isso é essencial realizar controle de pragas e doenças." Assim que caírem, as amêndoas devem ser retiradas dos ouriços, limpas, secas, lustradas e selecionadas, antes do consumo ou armazenamento. Armazenar a frio prolonga a vida da castanha. "Os resultados têm sido bons, com temperatura entre zero e 2 graus e 80% de umidade." Há outras opções para o pós-colheita: a cura consiste na imersão dos frutos em água em temperatura ambiente por cinco a sete dias. O processo provoca suave fermentação, que bloqueia o desenvolvimento de fungos patogênicos. Logo após o escorrimento, as castanhas são retiradas dos tanques e espalhadas sobre pavimento ou bancada telada, em local arejado, para secar. Para mais informações, ela sugere boletim sobre o cultivo da castanha, adquirido no Núcleo de Produção de Mudas de S. Bento do Sapucaí, da Cati, tel. (0--12) 3971-1306. Como beneficiar a castanha de caju Gostaria de obter receita de castanha de caju. Como é feito o beneficiamento da castanha? Vanda Lacerta Taquaritinga (SP) No site do Centro de Informações Tecnológicas e Comerciais para Fruticultura Tropical (www.ceinfo.cnpat.embrapa.br) há receita do pesquisador da Embrapa, Francisco Fábio de Assis Paiva: coloque 40 quilos de castanhas, por batelada, em chapas de metal. Leve ao fogo por oito minutos para extrair parte do líquido da casca. Depois, as castanhas devem ser resfriadas em temperatura ambiente, cobertas com uma camada de pó de madeira, que absorverá o líquido remanescente. Após resfriadas e limpas, as castanhas são postas em bancadas para o corte manual, que é a quebra da casca com um cilindro de madeira: deve-se aplicar força suficiente para abrir as bandas da casca, tendo cuidado para não danificar as amêndoas. Depois, faz-se a secagem da amêndoa ao sol, em bandejas, por até dez horas. Pode-se também usar fornos de alvenaria, nos quais as amêndoas são postas em bandejas perfuradas, sobrepostas. É importante ter rígido controle da temperatura, no máximo 60 graus. O tempo médio é de seis horas. Retira-se, então, manualmente, com uma faca, a película que envolve a amêndoa. A etapa seguinte é a fritura das amêndoas, em fritadeira convencional: coloca-se 1 quilo da amêndoa em óleo quente por 4 minutos. Após fritas, salgue-as e embale-as em sacos plásticos transparentes, de 50 a 200 gramas. Mais informações pelo e-mail ceinfo@cnpat.embrapa.br. Biblioteca rural aceita doações A Biblioteca Comunitária Rural de São Manoel aceita doações de livros, jornais, revistas, manuais, DVDs e informativos de sindicatos, federações, associações, leiloeiras, cooperativas, empresas e demais organizações do agronegócio. Biblioteca Comunitária Rural de São Manoel, A/C de Romaldo Bittencourt, Caixa Postal 2, CEP 84.450-000, Ipiranga (PR), tel. (0--42) 9122-5302.

O Estado de S.Paulo

03 Dezembro 2008 | 04h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.