Cartas

Pesquisador dá dicas para obter boa videira

O Estado de S.Paulo

12 Agosto 2009 | 03h25

 


Gostaria de saber como faço para obter um bom pé de uva. Em casa tenho um que só deu um cachinhos até hoje, com ?bolinhas? bem pequenas. Poderiam dar alguma dica de como cuidá-lo? No momento ele está sem folhas e todo seco.

João Luna

johnluna44@yahoo.com.br

O pesquisador José Luiz Hernandes, do Instituto Agronômico (IAC-Apta), diz que, pelas informações, é provável que o leitor tenha plantado apenas o cavalo (porta-enxerto) da videira. Os cavalos são plantas rústicas nas quais as variedades produtoras são enxertadas. Essas plantas têm sistema radicular resistente a pragas de solo, vegetam muito, mas em geral não produzem e, quando produzem, raramente as uvas têm qualidade para consumo. "É um problema muito comum em plantios domésticos. As pessoas plantam apenas o cavalo por engano ou então o enxerto, que é mais sensível, e a planta acaba morrendo por falta de tratamento adequado, brotando apenas o cavalo." Ele recomenda o plantio de uma nova muda enxertada, no caso de plantios domésticos, de variedades mais rústicas, que sofrem menos com doenças, como as niagaras branca ou rosada e a isabel, tinta. Ele ainda informa que mudas de videira enxertadas, encontradas no comércio em geral, não costumam dar bons resultados. E sugere ao leitor procurar os Núcleos de Produção de Sementes e Mudas da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), que produzem mudas de qualidade garantida. Cati, tel. (0--19) 3743-3700.

linkHá restrições para plantar guapuruvu

Fiz um reflorestamento em meu sítio, há 25 anos, usando guapuruvu. Os guapuruvus cresceram, mas, com o tempo, secaram. O problema é que, quando secam, eles caem e fazem um grande estrago na mata. Vendo hoje a espécie ser muito usada em reflorestamentos junto a estradas, avenidas e ruas e pergunto se isso não pode causar problemas no futuro.

Antonio Paulo Noronha

apn@maxishopping.com.br

O técnico agrícola Emilson José Rabelo, do Viveiro Agromineira, em Holambra (SP), diz que o guapuruvu (Schizolobium parahyba), por ser espécie nativa brasileira, é usado em reflorestamentos, mas alerta que a espécie deve ser plantada em áreas abertas e isoladas. "De grande porte, o guapuruvu tem madeira leve, que quebra fácil." Além dessa facilidade de a madeira se quebrar, diz o técnico, há outro problema comum no plantio da espécie. "Se as árvores forem plantadas muito próximas umas das outras, há risco de aparecer uma broca que deixa a planta debilitada - doente e fraca -, o que também provoca a quebra dos galhos e a morte da planta, que seca." Portanto, Rabelo não aconselha plantar a árvore perto de construções, estradas e áreas residenciais, em regiões urbanas ou rurais. Em áreas apropriadas, a espécie pode ser plantada. "Para a fauna, suas flores produzem alimento para insetos e os frutos alimentam pássaros e roedores. Na flora, por ser espécie pioneira, cresce rápido e faz sombra para as árvores que necessitam de sombra para crescer." Tel. (0--19) 3802-2352.

linkCamélia branca precisa de sol pleno

Tenho em terraço de apartamento, arejado e com sol, um pé de camélia branca rajada de vermelho, com 5 ou 6 anos. Há uns 3 anos começou a florir com abundância de botões, porém todos eles, logo que aparecem, ressecam. Por vezes, surgem pétalas nos botões ainda não abertos, mas logo ressecam e os botões caem. A planta em si não dá sinais de doença, pois as folhas estão sempre verdes.

Como resolver e problema?

Theodoro Carvalho de Freitas

tcf@baptista.com.br

O especialista Arno Boettcher, da Roselândia, em Cotia (SP), aponta três possíveis causas para o problema. A primeira é o tipo de solo usado. "A camélia gosta de solo ácido, por isso é preciso saber que tipo de solo há no vaso." Para saber o nível de acidez do solo, ele recomenda ao leitor comprar, em loja de artigos de jardinagem, um medidor de pH (peagâmetro). O solo tem que ser ácido, de, no máximo 5. Se estiver acima de 5, tem que fazer o transplante da camélia para uma terra ácida. "Normalmente, a terra mais ácida é vendida como terra preta." O segundo aspecto tem a ver com o fato de a planta não gostar nem de solo seco nem de solo úmido. "A camélia vai bem quando não há grandes alterações desse tipo, é preciso manter a rega constante. Este ano, as chuvas atípicas podem afetar a planta", diz Boettcher. A terceira causa pode ser alterações bruscas de temperatura. "A camélia precisa de sol pleno e é preciso ver se o local está favorecendo esse aspecto." Acrescenta que o clima de São Paulo não é o mais ideal para a planta. "Elas crescem e ficam viçosas, mas na hora da florada dá problema." Conforme Boettcher, em comparação à camélia branca, as variedades rajadas são mais suscetíveis a problemas na florada. "A branca comum é mais rústica e vai melhor no clima de São Paulo." Roselândia, www.roselandia.com.br.

linkReceita para tratar romãzeira atacada

 

Gostaria de uma orientação sobre as plantas de romã que cultivo no meu apartamento. Surgiu uma praga semelhante a pontos de algodão.

Já usei solução de fumo em corda e agrotóxico em spray e não adiantou. Como posso combater essa praga?

Oswaldo Cavallari

oacs@uol.com.br

O engenheiro agrônomo Victor Branco de Araujo, do Centro de Produção de Mudas da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), da Secretaria de Agricultura paulista, afirma que, embora não tenha visto imagens das plantas afetadas, ele acredita se tratar de um ataque de cochonilhas. "Nesse caso, os produtos que o leitor usou não são indicados", diz o agrônomo. Conforme Araujo, a ocorrência desta praga está relacionada a um possível excesso de adubação nitrogenada ou a algum desequilíbrio nutricional. "Recomendo tentar controlar a praga com uma receita à base de óleo mineral, produto encontrado em farmácias." A receita é a seguinte: misture 10 mililitros de óleo mineral a cada litro de água, tomando o cuidado de acrescentar duas ou três gotas de detergente de cozinha para facilitar a mistura entre o óleo e a água, e pulverize as plantas afetadas. Dessa forma, explica Araujo, mata-se a cochonilha por asfixia. Se for viável e houver poucas plantas, pode-se fazer a catação manual da praga, diz o agrônomo. Cati, tel. (0--19) 3743-3832.

linkAmoreira deve ser podada para produzir

Tenho um pé de amora, que plantei em abril de 2003 e já está com 4 metros de altura. Desde então ele não dá frutos. Há dois anos chegou a florir, mas logo em seguida as flores caíram. O que devo fazer?

Rejane Cardozo

rcpc1@hotmail.com

O professor Rafael Pio, da Universidade Federal do Paraná, diz que é importante realizar a poda todos os anos, para eliminar o excesso de ramos e permitir a iluminação do interior da copa. "Isso possibilita a indução floral, que é a diferenciação das gemas vegetativas em gemas floríferas." A poda é feita 30 a 45 dias após o fim da colheita dos frutos. Para a poda, os ramos são rebaixados, preservando um terço do comprimento original dos ramos. E-mail: rafaelpio@hotmail.com.

 

Mais conteúdo sobre:
Agrícolacartasfórumleitor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.