Cartas

UNIBAN E A IDADE DAS TREVAS

, O Estadao de S.Paulo

31 Outubro 2009 | 00h00

Fiquei chocado e perplexo com as cenas de preconceito, intolerância e barbárie exibidas no interior da Uniban, onde uma jovem aluna foi enxovalhada, insultada e ofendida por centenas de estudantes apenas por usar minissaia. Realmente, a estupidez humana não tem limites. Parecia que a garota estava no Afeganistão dos taleban ou na Idade Média da Santa Inquisição. É revoltante uma aberração dessas em São Paulo, no Brasil, em 2009. É o fim da picada. E pensar que essa covardia foi cometida por universitários, pessoas que teriam, supostamente, melhor nível cultural e que serão futuros profissionais com nível superior.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

MARIMBONDO CONFUSO

Sarney afirmou ser contrário à entrada da Venezuela no Mercosul, pois naquele país ocorrem fatos antidemocráticos, como o cerceamento da imprensa. Depois de 90 dias de censura ao Estadão, é de perguntar se o senador entende que o Brasil deve ser expulso do bloco, sob a mesma argumentação. Aliás, os senadores governistas que aprovaram a entrada de Hugo Chávez no Mercosul, quando indagados a respeito da vocação ditatorial desse senhor, argumentaram que a entrada da Venezuela se dará somente após assinatura de documento no qual seu presidente se responsabilize por comportar-se democraticamente. Tal papel será o equivalente tupiniquim à famosa folha brandida orgulhosa e tolamente por Chamberlain ao descer do avião em retorno de Berlim. Para quem não se lembra, o ex primeiro-ministro britânico foi à Alemanha pedir garantias de não-agressão ao então mandatário germânico, Adolf Hitler, que assinou prontamente tudo o que Chamberlain quis e, meses depois, desencadeou o mais sangrento conflito da humanidade, em 1939. Que fique registrado para Suas Excelências: ditador é ditador. E nenhum papel assinado os faz desviar dos seus intentos absolutistas!

Júlio Cruz Lima Neto juliocruzlima@uol.com.br

São Paulo

MUY AMIGOS

No Rio, na inauguração da quadra poliesportiva da Vila Olímpica de Mangueira, o presiMente disse que bandido não é um ser normal - que, aliás, foi como classificou José Sarney (uma pessoa "incomum"). Sob a sua batuta, a base liderada por Romero Jucá aprovou a entrada no Mercosul da Venezuela do "democrata" bolivariano Discursando Chávez. E lá sobra censura, mas falta comida. Arriba, Mercosur...

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

O INÍCIO DO FIM

E a Comissão de Relações Exteriores do Senado aprovou a entrada da Venezuela no Mercosul. Falta a votação em plenário, que vai aprovar o que o presidente Lula quiser. A nós resta torcer para que o bloco econômico sobreviva a Hugo Chávez.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

IRONIA

Xiii, será que o Paraguai é que vai salvar o Mercosul do produto falsificado de democracia Hugo Chávez? Será muita ironia...

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

DEMOCRACIA AMEAÇADA

Não há como não comentar o corajoso artigo Yoani em Berlim (29/10, A2), de Demétrio Magnoli, um escritor sempre atento ao que se passa no nosso país e que tem a capacidade de analisar com inteligência e objetividade

os passos que estamos vendo nossos governantes darem em direção ao totalitarismo, fatos que na maioria das vezes passam despercebidos à maioria, pois vêm em doses homeopáticas, mas com uma consistência certa. A adesão de Lula e seus ministros a Chávez e outros políticos latinos, as atitudes antidemocráticas que vemos todo dia, uma delas há já três meses (censura ao Estado), as invasões dos criminosos sem-terra a fazendas, destruindo tudo o que encontram e que são defendidas e financiadas pela base aliada de Lula e por intelectuais do PT, são apenas pequenos exemplos de um projeto que se detecta até agora em pleno andamento. Tal como o escandaloso silêncio de todos os que fazem parte do governo e de seus aliados sobre a proibição da viagem da cubana Yoani Sánchez, que consegue, apesar da mão de ferro de Fidel Castro, ser uma voz de dissidência nesse país totalitário, considerado por Lula uma maravilha e um exemplo. Só lamento que sejam poucos os que se expressam sobre o perigo desses democratas de araque, que iludem o povo com demonstrações e atos populistas.

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

FUNDAÇÃO SARNEY

Agora que eu ia fazer uma doação financeira à Fundação Sarney, ele a extingue. Estou pensando em dá-la ao MST, para ajudá-lo a fazer mais invasões criminosas em terras produtivas.

F. Kairalla, produtor rural kairalla@itelefonica.com.br

Neves Paulista

__________________________

''Lula tem razão:

"Enfrentar quadrilha organizada é apenas ilusão""

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

__________________________

SENADO

Senadores e Mesa Diretora confirmam demissão do ex-diretor Zoghbi. Ninguém me tira da cabeça que tem coisa combinada entre as partes por trás dessa demissão.

Orivaldo Tenorio de Vasconcelos prof.tenorio@uol.com.br

Monte Alto

Eta, nóis, tudo continua como dantes no quartel de Abrantes.

Filippo Pardini filippo@pardini.net

São Paulo

OPERAÇÃO COPENHAGUE

É sintomático que o governo só se preocupe com a encenação. Segundo a proposta do ministro Minc, vai-se tolerar a irresponsabilidade do desmatamento até 2020, e mesmo além. Mas não ocorre a ninguém "colar" o modelo chinês de desenvolvimento: estabelecer cidades industriais na costa para ocupar os contingentes pobres, em especial os que estão na floresta. A China já resgatou centenas de milhões da pobreza oferecendo trabalho urbano com mais alta produtividade. Aqui nem se pensou nisso. No caso do Pará, a indústria podia ser "verde" trabalhando com matéria renovável fornecida por extensos reflorestamentos. Não haveria mais desculpas sociais nem econômicas para desmatar. O Brasil poderia, com certa comodidade, assumir metas de redução de emissões de 50% em relação a 1990 para 2015. Então teria papel de líder de fato.

Harald Hellmuth hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

LEI DO INQUILINATO

O projeto da nova Lei do Inquilinato aguarda a sanção do presidente da República. Essa lei vem só prejudicar o inquilino. O locador tem inúmeras armas para se defender. Há algum tempo alugamos um apartamento e "morremos" em R$ 6 mil de seguro-fiança. Se o locador tem ao seu dispor fiador, seguro-fiança, depósito-fiança, por que o Senado se preocupa tanto com ele? O inquilino não tem nada que o favoreça, sem contar que é inquilino porque seu poder aquisitivo é menor. Se o locador quiser se livrar de um determinado locatário, basta conseguir um "laranja" que diga que vai pagar mais. Assim, quem não tem condições de comprar um imóvel vai ficar cada vez mais oprimido. Espero que o presidente pense bem antes de bater seu carimbo.

Elisabete B. Souza Bueno bethbsb@uol.com.br

Bragança Paulista

PRISÕES DA POLÍCIA CIVIL

A Polícia Civil fez uma operação especial e prendeu mais de 2 mil pessoas em um dia. Claro que isso é bom. Mas por que não faz isso todos os dias, que é a sua obrigação? Traria mais segurança à população se estivesse sempre usando todos os esforços para diminuir a criminalidade. Parece que a desvantagem para a polícia e para a Secretaria da Segurança Pública é que isso traria menos repercussão nos noticiários.

Abelardo Quinderé Fraga Jr. abelardo_f@terra.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.