Cartas

DA ARTE DE PERDER ELEIÇÃO

, O Estadao de S.Paulo

28 de novembro de 2009 | 00h00

Enquanto o presidente Lula infla a candidatura de sua eclética ministra, que passou a supervisionar e entender de todos os projetos do governo federal, o governador de São Paulo, ainda detentor da maior intenção de votos para a Presidência da República, fica na moita e vai tomando decisões que, além de altamente discutíveis, favorecem demais a candidatura oficial. O presidente vem-se mostrando aluno aplicado de Maquiavel, investindo em ações que implicam pontos favoráveis à sua candidata. Tirante a famosa Bolsa-Família, agora fatura alto com o pré-sal do futuro e reduziu o IPI de certos setores da economia, sempre objetivando as eleições de 2010. E ressalte-se que parcela significativa do IPI é repassada a Estados e Distrito Federal, sem que seus governadores e prefeitos faturem politicamente com tal redução. Foi assim com os veículos, os móveis, os eletrodomésticos, o material de construção, e já prepara para o início do ano a redução do IPI do material escolar. Ao mesmo tempo, José Serra tornou-se um dos paladinos da PEC do Calote, devidamente apoiado por seu pupilo, o prefeito da capital, avacalhando de vez os pagamentos das dívidas públicas com os cidadãos espoliados anos a fio. A dupla também resolveu ampliar as pistas da Marginal do Tietê, contrariando a tendência mundial de devolver as várzeas aos rios, com o intuito de melhorar as condições de vida das cidades. É uma obra que merecia maior discussão com a população, pois, se trará alívio temporário ao trânsito, importará em prejuízos permanentes à bacia do rio. E some-se ainda que sua construção em plena época natalina infernizará a vida dos paulistanos. Mas como pisar pouco na bola é bobagem, o prefeito procura aumentar astronomicamente o IPTU - em homenagem ao ano eleitoral, imagino. Se a Planta Genérica de Valores estava defasada, a pergunta que ocorre de imediato é: por que não foi reajustada neste ano e no ano passado? E essa valorização é discutível. Minha casa, por exemplo, tem valor de mercado maior, mas em razão do acréscimo do comércio e dos espigões na região, pois nossa qualidade de vida piorou, e muito. E o prefeito ainda foi à TV defender o aumento, dizendo de modo tranquilo que a Prefeitura não tem nenhuma dívida. E os precatórios? Já estão por conta do calote? Também alega, para variar, que precisa aumentar a arrecadação objetivando aplicar em saúde e educação, chamando a atenção para a qualidade da merenda. Que qualidade, a que até há pouco tempo distribuía uma salsicha para três alunos? São atitudes que só ajudam a candidatura da ministra e a oposição tem o dever de batalhar para que ela não tenha sucesso. Não tenho restrições à pessoa da ministra, mas sempre que a situação conseguiu eleger um poste, como se diz na gíria, nós nos demos mal. Foi assim com o ex-presidente Collor e com o ex-prefeito Pitta, para citar os casos mais evidentes.

Gilberto Pacini, benetazzos@bol.com.br

São Paulo

PREVISÃO AMEAÇADA

A previsão do tempo, hoje com 98% de acerto, pode ter a margem de eficiência reduzida a menos da metade já a partir de dezembro. Isso porque o principal satélite responsável por monitorar as condições climáticas na América do Sul vai ser desativado. O Goes-10 pertence aos EUA, que o consideram lixo espacial e vão derrubá-lo por considerá-lo obsoleto e caro - custa mais de US$ 10 milhões por ano em manutenção e equipe. O aparelho está virado para a América do Sul há dois anos, por acordo internacional. Com isso, de Norte a Sul do País, as previsões passarão a ser feitas pelo "olhômetro, "achômetro" ou "adivinhômetro". A alternativa imediata seria usar o Goes-12, também dos EUA, que está igualmente sucateado, e direcionar esse satélite para o Brasil, mas isso só será possível em maio de 2010. Até lá, olho no céu, minha gente! Serão seis meses sem previsão precisa. O mais grave dessa história é que o Brasil foi avisado da derrubada do satélite há cinco meses, mas manteve o assunto em sigilo e não adotou nenhuma providência. Lulla preferiu comprar aviõezinhos de guerra e submarino atômico para nos defender.

Maria Eloiza Rocha Saez, m.eloiza@gmail.com

Curitiba

BANDA LARGA

O ministro Hélio Costa prometeu TV digital com conversor custando, no máximo, R$ 100. Agora promete banda larga a R$ 30. Daqui a cinco anos, essa banda larga que ele está prometendo estará totalmente ineficiente para novos aplicativos. Ele é um sonhador com dinheiro público.

Edélcio Tadeu de O. Silvestre, alvomax@alvomax.com.br

São Paulo

MOTOS ENTRE FAIXAS

Sobre a mudança no código de trânsito proibindo motos entre faixas, a Prefeitura paulistana deve primeiro remover os sinalizadores catadióptricos (refletores) das faixas de rolamento, pois é equipamento para locais sem iluminação pública, como rodovias. As rodas das motos golpeiam os refletores, péssimo para o veículo. O inventor da "brilhante" ideia deve ser intimado a dar explicação. Segundo, se as faixas de rolamento tivessem largura adequada, e não a indecência de hoje, motos poderiam passar ali sem problema, desde que tomando o devido cuidado. Como sempre foi.

Bob Sharp, bobsharp@uol.com.br

São Paulo

INDISCIPLINA NO TRÂNSITO

Presenciamos o agravamento inexorável da loucura no trânsito. Os motoristas parecem jogar um daqueles antigos videogames em que o objetivo era matar baratas. A faixa de pedestres virou um mero detalhe para um número crescente de indivíduos motorizados, que investem furiosamente contra os desavisados, a tal ponto que é possível hoje dividir os pedestres em duas categorias: os rápidos e os candidatos ao atropelamento. E o "esquadrão da multa", totalmente inoperante nesse caso, limita-se a aplicar multas para contravenções outras. Até quando? Até o último pedestre mais lento?

Alexandru Solomon, asolo@alexandru.com.br

São Paulo

CONSTRANGIMENTO ILEGAL

"Fabricar" lei para obrigar a cidadania a se submeter ao bafômetro, ou puni-la por presunção de ingestão de álcool, pode levar a União a pagar astronômicas indenizações por danos. A presunção em área civil não se aplica na ordem penal. Não há necessidade de nenhum esforço hermenêutico para alcançar essa conclusão. É inconstitucional o advento da lei e, assim, vai dar mais trabalho ao Poder Judiciário em geral e ao STF em particular.

Benedito Antonio Dias da Silva Jr., beneadvdiasdasilva@terra.com.br

Tatuí

COMISSÁRIO DO POVO

Marco Aurélio Garcia, comissário do povo para os Negócios Estrangeiros, ou seja, ministro de fato das Relações Exteriores do governo petista, como trotskista, é um fiel seguidor da Teoria da Revolução Permanente. Assim, para ele, na condição de comissário do povo e adepto dessa teoria, a revolução não pode ser restrita a determinada nação, tem de ser internacionalizada. E, coerente com os ensinamentos de Trotski, famigerado agitador comunista, o comissário do povo do governo brasileiro, evidentemente, só poderia ser contrário à política externa do presidente Barack Obama, em especial quanto ao apoio à eleição democrática a ser realizada em Honduras, que já estava prevista no calendário eleitoral desse país. Enfim, para o ilustre trotskista, a hedionda revolução bolivariana de Hugo Chávez deveria aniquilar a ordem republicana não só de Honduras, por meio do desastrado Zelaya, mas das demais nações, de modo a ser internacionalizada.

Ranolfo Alves, ranolfo@uol.com.br

Bauru

SEGREDO DO SUCESSO

Um Ministério das Relações Exteriores que tem como elemento de ligação com o Poder Executivo funcionário do quilate de um Marco Aurélio Garcia não precisa de mais nada para justificar tanto sucesso na política externa.

Humberto de Luna Freire Filho, hlffilho@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.