Cartilha com orientações revoltou religiosos

A reação diante de uma cartilha feita pelo Ministério da Saúde com instruções para uso de um medicamento em casos de aborto legal dá a dimensão do controle que grupos religiosos exercem sobre as ações do governo. Lançado no fim de 2012, o manual, dirigido a médicos, orienta sobre o uso do misoprostol (comercializado como citotec) - indicado para o tratamento de úlcera, tem a venda controlada porque também é utilizado para provocar aborto.

O Estado de S.Paulo

21 de março de 2013 | 02h03

Logo após o lançamento, no entanto, grupos contrários ao aborto lançaram suspeitas sobre o material. Argumentaram que a linguagem usada não era técnica e questionaram o fato de terem sido impressos mais de 200 mil exemplares - número dez vezes maior do que a quantidade de especialistas no País.

Para eles, a cartilha poderia ser usada como material para um programa de aconselhamento de mulheres que decidiram abortar. Uma ação que o governo havia apoiado, mas que, diante da polêmica provocada, decidiu arquivar. De acordo com o Ministério da Saúde, caiu o número de mortes provocadas pelo aborto - hoje, a quinta causa de morte materna. / L.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.