Casa Branca acusada de censurar relatório sobre furacões

O governo Bush impediu a divulgação de um relatório que sugere que o aquecimento global contribui para uma maior freqüência e força dos furacões, informa a revista científica Nature. A possibilidade de que o aquecimento do clima possa provocar tempestades mais potentes gerou debates entre especialistas, especialmente após o desastre do furacão Katrina.No caso em questão, a Nature informa que especialistas da Administração Nacional de Atmosfera e Oceano (NOAA) - parte do Departamento de Comércio do governo americano - haviam formado um comitê, em fevereiro, para elaborar um relatório de consenso sobre a visão dos cientistas da agência sobre a relação entre furacões e aquecimento global. Segundo a Nature, uma prévia do documento afirmava que as temperaturas mais elevadas poderiam estar estimulando as tempestades. Em maio, quando o relatório estava para ser divulgado, o presidente do comitê, Ants Leetmaa, recebeu um e-mail de uma autoridade do Departamento de Comércio dizendo que o trabalho estava técnico demais e não deveria ser liberado para o público.Leetmaa, chefe do Laboratório de Dinâmica de Fluidos da NOAA, não respondeu aos pedidos de entrevista da Associated Press. O porta-voz da NOAA, Jordan St. John, disse desconhecer detalhes do relatório. Segundo a Nature, o administrador da NOAA, Conrad Lautenbacher, declarou que o relatório havia sido elaborado apenas para consumo interno que não seria liberado porque a agência não poderia assumir uma posição oficial no debate.Mas a Nature afirma que o relatório era apenas uma discussão da ciência sobre furacões tal como é entendida hoje, e não continha um posicionamento político.Nos EUA, a questão dos efeitos negativos do aquecimento global é politicamente complexa porque o governo Bush vem resistindo a tomar medidas para reduzir a poluição que causa o efeito. Em fevereiro, um funcionário nomeado por razões políticas, que trabalhava no setor de relações públicas da Nasa, teve de se demitir depois de ser acusado de tentar restringir o acesso da mídia a Jim Hansen, um cientista da agência que é pioneiro nas pesquisas sobre aquecimento global.

Agencia Estado,

26 de setembro de 2006 | 18h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.