Casamento de duquesa de 85 anos agita cidade espanhola

Duquesa de Alba, uma das mulheres mais ricas da Espanha, se casa com funcionário público 25 anos mais novo.

BBC Brasil, BBC

05 de outubro de 2011 | 10h21

Umas das mulheres mais ricas da Espanha, que é também uma das mais proeminentes integrantes da nobreza europeia, se casou nesta quarta-feira, aos 85 anos, com um noivo que é 25 anos mais novo do que ela.

A história de amor da Duquesa de Alba, que ficou viúva por duas vezes, causou grande sensação entre os espanhóis.

Ela teve que enfrentar a oposição dos filhos, no entanto, que criticaram duramente o casamento. Sua fortuna - da qual fazem parte enormes propriedades, palácios e obras de arte - é avaliada em US$ 4,7 bilhões.

O noivo, Alfonso Díez Carabantes, de 60 anos, é funcionário público.

A cerimônia foi realizada na capela de um palácio construído no século 15 e acompanhada por algumas dezenas de pessoas, a maioria familiares.

O evento foi bem mais modesto do que o primeiro casamento, em que cerca de mil pessoas testemunharam a então noiva de 21 anos, usando US$ 1,5 milhão em joias, subindo ao altar com Luis Martinez de Irujp y Artazcoz.

Segundo o Guiness World Records, a duquesa - cujo nome verdadeiro é Maria del Rosario Cayetana Alfonsa Victoria Eugenia Francisca Fitz-James Stuart y de Silva - possui mais títulos reconhecidos pelo governo do que qualquer outro aristocrata no mundo.

O casamento obteve grande destaque na mídia espanhola, e foi chamado, pelo jornal americano The New York Times, de "o mais elaborado evento social da Espanha desde o final da monarquia".

Católica fervorosa, a duquesa justificou o casamento dizendo não haver outra saída.

"Sou anti-divórcio, anto-aborto, contra todas essas atrocidades", disse ela à agência de notícias EFE.

"Sou católica praticante. Por isso é que estou casando pela terceira vez". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
EspanhaDuquesa de Alba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.