Caso Jean: Órgão fiscalizador apóia chefe da polícia

Derrota em voto de confiança poderia levá-lo a se afastar; primo de Jean critica decisão.

BBC Brasil, BBC

22 de novembro de 2007 | 15h00

O Comissário da Polícia de Londres, Ian Blair, sobreviveu nesta quinta-feira a um voto de desconfiança sobre a conduta da polícia no caso Jean Charles de Menezes que poderia obrigá-lo a deixar o cargo.Blair foi avaliado pela Metropolitan Police Autority (MPA), um órgão que fiscaliza a atuação da polícia londrina e que poderia exigir a saída dele.Mas 15 membros do órgão votaram a favor de Blair, sete votaram contra e um se absteve."Estou contente de ter recebido o apoio da maioria dos membros da MPA. Eu não minimizei, de forma alguma, a tragédia que é a morte de Jean Charles de Menezes", disse ele. "Eu vou voltar e continuar com meu trabalho."O presidente da MPA, Len Duvall, destacou que Blair contou com o "apoio maciço" do órgão."Eu acho apropriado que ele seja autorizado a continuar com seu trabalho, no qual ele deve aprender as lições e garantir que isso não aconteça nunca mais em Londres." Erionaldo da Silva, primo de Jean Charles, criticou a decisão da MPA."Nós não acreditamos que este voto resolve as questões principais deste caso", disse. "Nós acreditamos que a posição de Ian Blair é insustentável e não temos confiança nele." Jean Charles de Menezes, um eletricista brasileiro de 27 anos, foi morto por policiais em 22 de julho de 2005 com sete tiros na cabeça, depois de ter sido confundido com um homem-bomba.No início deste mês, a polícia de Londres foi condenada a pagar uma multa, depois de ter sido considerada culpada de violar as regras de saúde e segurança da população na operação.Dias depois, Blair perdeu um voto de confiança na Assembléia de Londres, um órgão encarregado de fiscalizar a atuação do prefeito e de investigar assuntos relativos à capital britânica.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.