Tasso Marcelo/AE
Tasso Marcelo/AE

Caso que envolve atriz é registrado como difamação

Carolina Dieckmann relatou que sofreu chantagens; computador da atriz foi encaminhado para perícia

Antonio Pita, Agência Estado

07 Maio 2012 | 19h42

RIO DE JANEIRO - Após ter fotos íntimas divulgadas na internet na última sexta-feira, a atriz Carolina Dieckmann prestou queixa na manhã desta segunda-feira na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática, no centro do Rio de Janeiro. Em seu depoimento, Dieckmann relatou que sofreu chantagens e que foi orientada por um amigo policial a continuar a correspondência até a polícia conseguir um flagrante da extorsão. O computador da atriz foi encaminhado aos peritos a fim de identificar o responsável pelo vazamento das imagens e pelas tentativas de extorsão.

Acompanhada do seu marido, o diretor de televisão Tiago Worcman, Dieckmann chegou à delegacia por volta das 9 horas da manhã e só saiu após sete horas de depoimento. Também foram ouvidos o empresário da atriz e um secretário pessoal. Os nomes não foram revelados. Eles são considerados testemunhas por terem acompanhado a negociação com o chantagista.

Por cerca de duas semanas, Dieckmann e seu agente receberam telefonemas e e-mails cobrando R$ 10 mil para que as fotos não fossem divulgadas. "Ela imediatamente reagiu e tomou providências através de pessoas da área de segurança com quem ela tem relacionamento. A pessoa a orientou para que ela continuasse respondendo os e-mails na hipótese de obter um flagrante. Mas, infelizmente, o autor disparou as fotos antes", afirmou o advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay. Segundo ele, a atriz preferiu não dar queixa na delegacia no primeiro momento para evitar que a exposição atrapalhasse o flagrante.

De acordo com o titular da delegacia, Gilson Perdigão, o caso foi registrado como difamação, furto e extorsão qualificada pelo concurso de agentes, ou seja, quando mais de uma pessoa participou da ação. O delegado confirmou que o computador da atriz será encaminhado para perícia. Um técnico de informática também acompanhou o depoimento da atriz na tentativa de identificar pistas sobre o responsável pelo vazamento das imagens.

Uma das suspeitas para o vazamento é que as fotos tenham sido copiadas do computador da atriz. Semanas antes da divulgação das imagens, Dieckmann teria levado o aparelho para manutenção em uma assistência técnica autorizada. Entretanto, nem a polícia nem o advogado confirmaram as informações ou deram detalhes sobre as investigações. "Seria leviano fazer qualquer suspeita. Este é um trabalho para a perícia", afirmou Castro.

Segundo o advogado, os sites que hospedaram as imagens têm sede nos Estados Unidos e na Inglaterra. "Os dois sites foram notificados e solicitaram a comprovação da autoria das imagens. Enviamos para eles a repercussão do caso e eles imediatamente tiraram as fotos do site", explicou. Castro também notificou o Google para evitar que as fotos fossem acessadas pelo sistema de buscas. O site ainda não deu uma resposta. "Ao contrário do que as pessoas pensam, esses crimes deixam rastros e provavelmente nós conseguiremos chegar mais cedo que se pensa a esse suspeito", afirmou o advogado.

Dieckmann e o marido deixaram a delegacia cercados por seguranças e não falaram com a imprensa. Desde a última sexta-feira, circulam na internet 36 fotos, aparentemente feitas pela própria atriz, em que ela aparece nua e em situações de intimidade, no banho e com seu filho mais novo, José. "Ela é uma pessoa pública mas tem direito a privacidade. Essas fotos foram tiradas em momento de intimidade do casal", afirmou o advogado.

Mais conteúdo sobre:
Carolinadepoimentoconsolida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.