Católicos lotam novo templo do padre Marcelo

Inauguração do santuário Theotokos - Mãe de Deus, na região de Interlagos, na capital, atraiu dezenas de milhares de pessoas

MARIANA LENHARO, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2012 | 02h02

Desde a noite de quinta-feira, fiéis já se reuniam em Interlagos na região do novo santuário Theotokos - Mãe de Deus, o megatemplo do padre Marcelo Rossi. A inauguração do local ocorreu ontem com uma missa especial de duas horas pelo Dia de Finados. A obra, projetada pelo arquiteto Ruy Ohtake e financiada por doações e pela renda obtida com a venda de livros, CDs e DVDs de Rossi, começou em 2006 e ainda não está completamente acabada.

Enquanto o antigo Santuário do Terço Bizantino, reduto anterior de Rossi, tinha capacidade para abrigar até 15 mil pessoas, o novo espaço consegue receber 20 mil pessoas em seu interior e mais 80 mil na parte externa. Ontem, a impressão era de que o espaço havia atingido a lotação máxima.

"Ninguém imaginava o número de pessoas de hoje. Mas foram tomando conta, invadiram a rua. É a inauguração, as pessoas querem conhecer. A tendência é depois voltar ao normal", disse Rossi em coletiva de imprensa. O aperto era tanto que, pouco antes do início da celebração, às 11 horas, muitos deixavam o local, desistindo de participar.

Sobre o fato de a obra ainda não ter sido concluída e ter muros e paredes ainda na fase do reboco, o padre justificou a situação mencionando a complexidade arquitetônica da estrutura projetada por Ohtake.

Nas palavras de Rossi, "só Deus sabe" quando o templo será totalmente concluído. Mas ele calcula que deve levar mais cinco ou dez anos.

O edifício ainda não tem o Habite-se, documento que comprova que a obra foi feita de acordo com a legislação. Tem apenas um alvará provisório de funcionamento, com validade até o dia 31 de dezembro.

Ohtake conta que vê o projeto como uma "doação para a humanidade". Sua intenção era que o espaço do interior da igreja fosse um local adequado para reflexão e meditação. "Gosto muito do padre Marcelo. Ele representa uma nova Igreja Católica, mais aberta, mais democrática, mais moderna. Ele prega o otimismo e a força", diz.

O padre citou que um dos movimentos responsáveis pelo comparecimento maciço em eventos católicos como esse é a Renovação Carismática. "A Renovação tem algo especial, que é a importância da missa não ser apenas um culto, mas um culto vivo, ao qual as pessoas não apenas assistem, mas participam."

Para o arcebispo de São Paulo, d. Odilo Scherer, o projeto arrojado era necessário. "Nem sempre temos esse espaço para acolher grandes quantidades de pessoas. Ele é bem-vindo: vai marcar Santo Amaro e São Paulo."

O governador Geraldo Alckmin, também presente no evento, lembrou que este é o segundo maior santuário do País, ficando atrás apenas do Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida.

Para o prefeito Gilberto Kassab, o templo tem potencial para se tornar mais um símbolo da cidade. "Agora, que todos aqueles que desejam vir, possam vir com conforto e estar aqui renovando sua fé." A cerimônia teve a participação dos cantores Agnaldo Rayol e Alexandre Pires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.