Censores iranianos proíbem livro de García Márquez

Tradução de primeira edição amenizou título de 'Memórias de Minhas Putas Tristes'.

BBC Brasil, BBC

16 de novembro de 2007 | 18h40

O último livro do autor colombiano Gabriel García Márquez, Memórias de Minhas Putas Tristes, foi proibido no Irã depois que censores notaram que o título havia sido amenizado na tradução.Na tradução em farsi, o título do livro de García Márquez foi transformado em Memórias de Minhas Namoradas Tristes. A primeira edição no idioma, com 5 mil cópias, se esgotou nas livrarias antes que as autoridades percebessem.O Ministério da Cultura iraniano afirmou que um "erro burocrático" fez com que o livro recebesse a permissão para publicação no país, segundo a agência de notícias iraniana Fars. Ainda segundo a agência, a autoridade responsável foi demitida.O livro conta a história de um homem que, em seu aniversário de 90 anos, vai a um bordel e contrata uma virgem de 14 anos, por quem se apaixona.O livro se esgotou nas livrarias iranianas depois de apenas três semanas de seu lançamento no país.Mas religiosos conservadores não aprovaram o conteúdo da obra e chamaram a atenção das autoridades para o título original e a história do livro.O Ministério da Cultura e Orientação Islâmica, que aprova todas as publicações do Irã, recusou a permissão para uma nova edição do livro.Desde que o atual presidente Mahmoud Ahmadinejad assumiu o cargo, em 2005, o governo do Irã tem intensificado a censura a obras literárias.Gabriel García Márquez, que ganhou o prêmio Nobel de Literatura de 1982 pelo livro Cem Anos de Solidão, é muito popular no Irã. Além de Cem Anos de Solidão, outras obras do escritor, como O Amor Nos Tempos do Cólera, também foram publicadas no país.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.