Centenas de brasileiros procuram consulado na Bolívia

Brasileiros se preparam para eventual evacuação do país por causa de crise.

Marcia Carmo, BBC

12 de setembro de 2008 | 17h57

Os brasileiros que vivem em Santa Cruz de la Sierra, capital do Departamento (Estado) de Santa Cruz, formaram longas filas no consulado do Brasil nesta sexta-feira por causa de temores de um agravamento da crise na Bolívia. Funcionários do consulado contaram que até a semana passada cerca de dez brasileiros se apresentavam diariamente à representação brasileira. Nestes três últimos dias, o total subiu para mais de 200 pessoas por dia.O consulado analisa a possibilidade de ampliar o horário de atendimento ao público - que atualmente é das 9h às 15h. Nesta sexta-feira, depois deste horário, mais de 100 pessoas permaneciam na fila. Eles querem fazer a chamada "matrícula consular", uma espécie de cadastramento dos brasileiros residentes no exterior - formalidade que ajuda o consulado a localizar os brasileiros em situação de emergência, mas que não tinha merecido tanto interesse como agora.PrecauçãoMuitos perguntam aos funcionários do consulado se o Brasil pensa em realizar algum tipo de evacuação, caso a situação se agrave. A resposta oficial é que a questão não está sendo analisada. Na fila comenta-se que o interesse em fazer a matrícula ocorre como forma de preparo para um caso de uma emergência. Além de brasileiros, bolivianos casados com brasileiras procuram o consulado. Estima-se que entre 4 mil e 7 mil brasileiros vivam em Santa Cruz de la Sierra - a maioria universitários nascidos no Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Acre. As universidades são mais baratas na Bolívia do que no Brasil e neste país vizinho não existe vestibular. Por isso, os cursos de medicina e engenharia, principalmente, são freqüentadas por estudantes brasileiros nas universidades de Santa Cruz de la Sierra. Além dos universitários, moram na cidade ainda os brasileiros que cultivam soja no país, porém com menor presença que tempos atrás. Este total de brasileiros que vive oficialmente na capital de Santa Cruz poderia aumentar a partir da realização desta matrícula consular. Estima-se que este número poderia saltar para mais de 10 mil.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.