Centro da USP em Ribeirão produz nanotecnologia

Espaço, que tem 200 m2 e custou R$ 1 milhão, fabricará medicamentos para tratar câncer de pele com aplicação de laser

Brás Henrique, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2010 | 00h00

O Centro de Nanotecnologia e Engenharia Tecidual Aplicado à Saúde, instalado dentro do câmpus da Universidade de São Paulo (USP) em Ribeirão Preto, já está produzindo desde 1.º de março, embora ainda não tenha sido inaugurado oficialmente.

Num espaço de 200 metros quadrados, que custou R$ 1 milhão (entre construção e equipamentos), são produzidos medicamentos nanoestruturados (fármacos fotoativos) para o tratamento de câncer de pele com aplicação de laser, além de pele artificial usada para corrigir cicatrizações, queimaduras e perdas da camada em acidentes. E existem outras pesquisas em andamento e uma parceria com a marca francesa Dior está em negociação para produzir cosméticos voltados ao rejuvenescimento.

O coordenador do centro e professor do Departamento de Química, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP, Antonio Claudio Tedesco, destaca que os medicamentos nanoestruturados já estão sendo distribuídos para a população de baixa renda em três centros ambulatoriais do País: o Hospital das Clínicas (HC) de Ribeirão Preto e as instituições de saúde da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e da Universidade de Brasília (UnB). Ainda no primeiro semestre serão incluídos dois outros centros: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e um de Campo Grande (MS). A meta é chegar a 12 centros ambulatoriais até o fim deste ano.

Os pesquisadores desenvolvem medicamentos com outros princípios ativos, além dos fotoativos. Com a nanotecnologia, os velhos fármacos, com nova roupagem, atingem alvos específicos, com menos efeitos colaterais aos pacientes. A produção de pele tridimensional em laboratório (artificial) será em larga escala. A distribuição desse material não ocorre pelo Sistema Únicos de Saúde (SUS), mas por convênios de pesquisas entre a USP e centros interessados, com custos bancados por agências de fomento à pesquisa. Porém, a meta é fazer convênio com o Ministério da Saúde para subsidiar a distribuição.

O centro está desenvolvendo, em parceria com a Unifesp, estudos de fármacos nanoestruturados para o tratamento de doenças que atingem o sistema nervoso central, como Alzheimer, Parkinson e glioma (câncer cerebral). "Esses estudos estão na fase animal e os fármacos desenvolvidos são inseridos dentro do cérebro, permeando a barreira neuroencefálica", diz Tedesco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.