Centro Linux da IBM no Brasil é ampliado e registra 6 patentes

Centro tecnológico criado em parceria com a Unicamp atua no fomento a projetos de código aberto

23 de julho de 2007 | 16h58

A IBM Brasil divulgou os resultados obtidos com o investimento de US$ 2,2 milhões feito no ano passado no seu Centro de Tecnologia Linux (LTC). A empresa obteve o registro de 6 patentes na área de Linux em processador Cell (usado em sistemas como o videogame PlayStation 3), contribuindo para a inovação, pesquisa e desenvolvimento em Open Standard; e desenvolveu dois grandes projetos: - Versão 2 do IBM Instalation Toolkit for Linux on Power: kit de instalação do sistema operacional Linux em servidores de arquitetura Power. A versão 2 permite a instalação do Linux remotamente, pela rede, e possui novas funcionalidades, como ferramenta de atualização de firmware e particionamento de disco. - Versão 2.1 do SDK: ferramenta de desenvolvimento de aplicações para Linux em processador Cell. Este desenvolvimento foi feito em parceria com os LTCs de Austin, nos Estados Unidos, e de Boeblingen, na Alemanha. Ambas as versões estão disponíveis no Portal de Tecnologia da IBM DeveloperWorks . Além destes projetos, o LTC Brasil também desenvolveu recentemente: o Bugzilla, ferramenta que registra falhas de programas; o IIOSB, ferramenta de código aberto à comunidade de software com a mesma característica que funciona como portal para hospedar projetos de plataforma aberta; e uma terceira ferramenta, para controle de qualidade na detecção de erros de programas. Construído no campus da Unicamp em 2004, o LTC é parte de uma parceria entre a universidade e a IBM. Pesquisadores da Unicamp colaboram com os cientistas em computação da IBM no Brasil para ajudar a treinar os recém-graduados no Instituto de Computação da universidade. A IBM, por sua vez, contribui com equipamentos e softwares para laboratórios, bolsas de estudo para alunos e com profissionais para ajudar a gerenciar o desenvolvimento dos projetos.

Tudo o que sabemos sobre:
LinuxIBM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.