Cerca de 175 manifestantes são presos durante a noite em Chicago

A polícia de Chicago informou no domingo que cerca de 175 manifestantes foram presos em uma praça central onde alguns montaram barracas e sacos de dormir, em um protesto inspirado pelo movimento "Occupy Wall Street," de Nova York.

REUTERS

16 Outubro 2011 | 11h09

Os protestos atraíram mais de 2 mil pessoas, que marcharam do Federal Reserve Bank of Chicago até o Grant Park, que também foi palco de protestos contra a guerra durante a Convenção Democrática de 1968.

Detalhes sobre as acusações contra os manifestantes de Chicago não foram divulgados.

O protesto foi um dos muitos em um dia mundial de manifestações no sábado, que começou na Ásia e na Europa, passando pelos Estados Unidos e Canadá. Houve manifestações em dezenas de cidades como Washington, Boston, Chicago, Los Angeles, Miami e Toronto.

O movimento "Ocuppy Wall Street" vem ganhando força no último mês, culminando no "Dia da Raiva" global no sábado. Os protestos foram pacíficos na maioria dos países, exceto Roma, onde a manifestação provocou tumultos.

Ainda não está claro se o movimento, organizado principalmente por meio das mídias sociais, ainda vai ter fôlego depois do sábado. Críticos acusam o grupo de não ter uma mensagem clara.

Os manifestantes dizem que eles estão preocupados com bilhões de dólares destinados a resgates bancários, que permitiram bancos retomarem seus lucros, enquanto cidadãos americanos não tiveram alívio do alto desemprego.

O grupo de Chicago protestava diante do Fed há 23 dias, antes de mudar de local no sábado.

(Reportagem de Brad Dorfman)

Mais conteúdo sobre:
PROTESTOS CHICAGO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.