Cerca de 500 foram presos em repressão na Síria, diz grupo

Forças de segurança prenderam cerca de 500 simpatizantes pró-democracia em toda a Síria depois que o governo enviou tanques para reprimir os protestos na cidade de Deraa, disse a organização defensora dos direitos humanos Sawasiah nesta terça-feira.

KHALED YACOUB OWEIS, REUTERS

26 de abril de 2011 | 09h01

A organização independente disse ter recebido informações de que ao menos 20 pessoas morreram em Deraa desde que os tanques entraram na cidade na segunda-feira, mas a comunicação com o sul da cidade, onde os protestos contra o presidente Bashar al-Assad começaram em 18 de abril, foram interrompidas, dificultando a confirmação das informações.

"Testemunhas nos disseram que ao menos 20 civis morreram em Deraa, mas não temos seus nomes e não podemos confirmar", disse um representante da Sawasiah, acrescentando que houve a confirmação de dois civis mortos no subúrbio de Douma, em Damasco, onde forças de segurança também entraram.

Ao menos 500 pessoas foram detidas em outras partes da Síria, segundo a entidade.

A Anistia Internacional, citando fontes em Deraa, disse que ao menos 23 pessoas morreram quando tanques bombardearam Deraa, e classificaram o episódio como "uma reação brutal às exigências do povo".

Forças de segurança e atiradores leais a Assad já mataram mais de 350 civis em toda a Síria desde o início dos protestos pró-democracia em Deraa, segundo grupos de direitos humanos. Um terço das vítimas foi morta a tiros nos últimos quatro dias, em meio à crescente revolta contra Assad.

Mais conteúdo sobre:
SIRIAREPRESSAOMORTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.