Cerco a hotel na Somália acaba com 14 mortos, diz governo

Um cerco feito por militantes do al Shabaab na capital da Somália foi encerrado e o número final de mortos com o ataque ficou em 14, disse uma autoridade sênior do governo neste sábado.

FEISAL OMAR E ABDI SHEIKH, REUTERS

28 de março de 2015 | 10h05

Os combatentes do Al Shabaab explodiram a entrada e atiraram no popular Hotel Maka Al Mukaram na sexta-feira à tarde, prendendo muitas autoridades do governo.

O pessoal de segurança, liderado por uma unidade das tropas de força especiais de elite treinadas pelos Estados Unidos, conhecida como "Gaashaan" (Escudo) invadiram o hotel na sexta-feira à tarde e combateram os atacantes neste sábado.

Mohamed Abdi, Ministro da Informação, afirmou que os 14 mortos incluíam o embaixador da Somália para Genebra, cinco civis, quatro guardas do hotel e quatro soldados do governo. Quatro atacantes, incluindo o que detonou o carro-bomba, também morreram.

"A operação no hotel está encerrada e esses são os corpos dos militantes que queriam matar nosso povo. Obrigado às nossas forças que salvaram nosso povo no hotel", disse ele na cena, enquanto mostrava os corpos dos militantes mortos aos jornalistas. 

A polícia havia afirmado anteriormente que havia 15 mortos e 20 feridos.

Tudo o que sabemos sobre:
SOMALIAMORTOSCERCO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.