Cesp terá multa se não resgatar bens arqueológicos

A Justiça acatou pedido do Ministério Público Federal (MPF) e determinou que a Companhia Energética de São Paulo (Cesp) cumpra, sob pena de multa, a sentença em que foi condenada a monitorar e fazer resgate arqueológico nas margens de três hidrelétricas no Rio Paraná, na divisa entre São Paulo e Mato Grosso do Sul.

AE, Agência Estado

25 de fevereiro de 2011 | 10h05

Para evitar a multa diária de R$ 5 mil, a Cesp deve comprovar, em 60 dias, a continuidade do monitoramento. Os trabalhos só poderão terminar após análise de todos os locais atingidos pelas usinas. Pesquisas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) mostraram a existência de 333 sítios arqueológicos na região de Três Lagoas - pelo menos 169 na margem direita do Rio Paraná (MS). Nos sítios já explorados foram coletadas 80 mil amostras - como pontas de lança e urnas funerárias, algumas datadas de 7 mil anos.

Segundo o MPF, desde outubro de 2009 os sítios arqueológicos de Três Lagoas estão sem monitoramento ou resgate, "entregues à ação destrutiva da erosão". Ainda de acordo o MPF, a Cesp foi condenada, em abril passado, a manter, por tempo indeterminado, o programa de estudos e resgate arqueológicos na região das Usinas Sérgio Motta (Porto Primavera), Souza Dias (Jupiá) e Ilha Solteira, mas não cumpriu a sentença.

Procurada, a Cesp afirmou conhecer o assunto e disse que está cumprindo as decisões judiciais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.