CET instala faixa exclusiva na Paulista e Dr. Arnaldo

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) instala nesta quarta-feira, 10, a faixa exclusiva de ônibus nas Avenidas Paulista (região central) e Doutor Arnaldo, na zona oeste de São Paulo. As duas vias já tinham faixas preferenciais - que não rendiam multa. Com esse tipo de procedimento, o motorista que invadir a pista exclusiva dos coletivos pode ser multado, mas ainda não há data certa para começar a fiscalização nas duas vias. A multa por invasão da faixa será de R$ 53,20.

Agência Estado

10 de julho de 2013 | 09h04

A pista exclusiva para coletivos da Paulista será instalada num trecho de dois quilômetros, nos dois sentidos, entre a Praça Oswaldo Cruz e a Rua Augusta. Também haverá uma extensão na Avenida Doutor Arnaldo, com 710 metros, no sentido centro, entre a Rua Galeno de Almeida e 175 metros após a Rua Teodoro Sampaio.

As duas faixas exclusivas funcionarão de segunda a sexta-feira, das 6 às 22 horas. Nos sábados, a da Paulista será acionada nesse mesmo horário, mas a da Avenida Doutor Arnaldo será só para ônibus das 6h às 14h. As duas faixas estavam previstas para começar na segunda-feira, 15, mas foram antecipadas para esta quarta-feira. A CET não informou o motivo da antecipação da inauguração.

A ordem da companhia é acelerar a instalação dessas faixas - uma resposta do prefeito Fernando Haddad (PT) aos protestos contra a má qualidade do transporte público. O raciocínio é que, dando mais espaço para os coletivos circularem, a velocidade média deles aumentará. Com os ônibus chegando mais rápido aos pontos, é como se oferta de coletivos aumentasse, o que reduz a superlotação. Haddad já ampliou a meta de 150 km para 220 km de faixas exclusivas até o fim de 2012. Estão previstas faixas exclusivas, por exemplo, nas Avenidas 23 de Maio, Tiradentes e Santos Dumont. A Prefeitura também promete construir 66 km de corredores de ônibus. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
TrânsitoSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.