Carlos Garcia Rawlins/Reuters
Carlos Garcia Rawlins/Reuters

Chávez se declara curado do câncer

Presidente venezuelano diz que exames em Cuba revelaram fim da doença

Reuters

20 de outubro de 2011 | 18h21

LA FRIA - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, afirmou nesta quinta-feira, 20, estar curado do câncer, quatro meses depois de passar por uma cirurgia para a retirada de um tumor maligno em uma parte do corpo não revelada. "Estou livre da doença", disse Chávez, de 57 anos, após desembarcar de Cuba para fazer uma peregrinação religiosa no oeste venezuelano.

Médicos dizem, no entanto, que nenhum paciente de câncer pode se dizer fora de perigo até pelo menos dois anos depois da conclusão do tratamento. "Sua declaração de que ele está livre do câncer é excessivamente otimista a esta altura. Não importa que tipo de câncer ele tenha tratado, é simplesmente cedo demais para dizer", disse um oncologista dos Estados Unidos, pedindo anonimato.

Fardado e eufórico, Chávez disse que exames feitos nesta semana em Cuba mostraram que não há mais células malignas no seu organismo, depois de quatro ciclos de quimioterapia. Desde junho, quando a doença foi revelada, o estado de saúde do presidente inquieta os venezuelanos, criando um cenário de incerteza para a eleição presidencial de 2012. "Um estágio vital foi concluído. Tudo correu perfeitamente. Tirei notas máximas, nota dez", disse ele. "O novo Chávez voltou... Vamos viver e vamos continuar vivendo."

O político socialista, maior adversário dos EUA na atualidade na América Latina, nunca revelou detalhes sobre a doença, alegando se tratar de assunto privado. Mas sabe-se que a cirurgia ocorreu no abdome, e há intensas especulações de que seu estado é pior do que ele admite. Um médico que atendeu Chávez no passado declarou nesta semana que ele tem no máximo dois anos de vida.

Chávez é mais um político sul-americano a se declarar curado de um câncer após poucos meses de um tratamento. Em 2010, a presidente Dilma Rousseff ganhou as eleições depois de se submeter a um tratamento quimioterápico no ano anterior, enquanto o presidente paraguaio, Fernando Lugo, recebeu um diagnóstico de linfoma no ano passado, e quatro meses depois disse estar em remissão.

Ao pousar no aeroporto de La Fria, Chávez, sempre teatral, abraçou seus sorridentes ministros e cumprimentou calorosamente seus seguidores, cantando com alguns e dando tapinhas nas costas de outros.

Após um discurso transmitido em cadeia nacional de rádio e TV, ele saiu de carro aberto pelas montanhas, acenando para os simpatizantes, até chegar ao santuário do Cristo de la Grita, onde ele disse ter uma promessa apagar. "Sou cada vez mais cristão. O socialismo é o caminho de Cristo. Amor, justiça social, isso é Cristo", disse Chávez, cujo estilo político mistura o comunismo, o catolicismo e a veneração ao herói nacional Simón Bolívar.

Esbanjando confiança, Chávez garantiu também que será vitorioso na eleição do ano que vem, quando disputará um novo mandato contra um candidato único da oposição, a ser escolhido numa eleição primária em fevereiro.

Mais conteúdo sobre:
ChávezAmérica LatinaVenezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.